Economia

ACSP prevê crescimento de 2% nas vendas no Dia dos Pais


A estimativa é do economista Marcel Solimeo. Lojistas do centro de São Paulo mostram otimismo. Na foto, anúncio de promoção para a data nas Casas Pernambucanas


  Por Wladimir Miranda 08 de Agosto de 2019 às 07:00

  | Repórter vmiranda@dcomercio.com.br


O movimento de vendas do comércio varejista neste Dia dos Pais, domingo, 11/8, deve crescer em torno de 2%, na comparação com a mesma data do ano passado. A estimativa é da Associação Comercial de São Paulo (ACSP).

“Se as temperaturas ficarem baixas nos próximos dias, pode ser que o número seja um pouco maior, puxado pelo ramo de vestuário”, avalia Marcel Solimeo, economista da ACSP.

Marcel Solimeo acrescenta que nessa época do ano as lojas fazem liquidações para desovar a moda outono-inverno e se preparar para a próxima coleção.

“É um fator que também pode ajudar a vender”.

O economista lembra que o Dia dos Pais não é uma das datas mais fortes do calendário comercial. Disputa a quarta colocação com o Dia das Crianças. E, além disso, os presentes são de baixo valor.

Segundo o Balanço de Vendas/ACSP, de janeiro até a primeira quinzena de julho, o varejo paulistano registrou crescimentos de apenas 1% nas vendas a prazo e de 2,4% nas vendas à vista, tendo por base o mesmo período de 2018. Resultando em alta média de 1,7%, embora tenha havido muita volatilidade nos meses.

“Os dados do Dia dos Pais devem se aproximar destes números. A economia está enfrentando dificuldades para evoluir de maneira mais vigorosa e o comércio sente isso”, afirma Marcel Solimeo.

LOJISTAS QUEREM CONTRATAR FUNCIONÁRIOS

As expectativas dos lojistas do centro de São Paulo também são de que haverá um crescimento de 2% em relação ao Dia dos Pais de 2018. É o caso de Paulo Santos de Andrade, gerente de vendas da filial da Calçados Mundial, da Rua Direita.

Um aspecto, que para ele, pode ajudar a aumentar o faturamento é que estamos na primeira semana do mês, período que muitas empresas depositam o pagamento de seus funcionários.

Paulo não esconde o otimismo e avisa que a empresa vai contratar funcionários temporários. Atualmente 30 pessoas trabalham na filial.

“A loja não vai fechar neste final de semana. Vamos abrir sábado e domingo. Percebo que o movimento já começou a aumentar”, afirma ele. A loja vende calçados para homens, mulheres e infantis.

O gasto médio na loja é de R$ 100,00. Os preços são variados, de R$ 19,99 a R$ 700,00.

Para atrair a atenção, logo na entrada da loja o cliente começa a notar as promoções. Sapatos e tênis podem ser adquiridos com até 20% de desconto.

São inúmeros os anúncios de liquidação na Rua Direita. A filial das Casas Pernambucanas é a única que colocou um anúncio de promoção para o Dia dos Pais na vitrine.

A gerente Gleici Ferreira também aguarda ansiosa a chegada do fim de semana, na esperança de que as vendas melhorem. A loja também fez promoções para a data.

Camisas e outras roupas do vestuário masculino podem ser encontradas com até 20% de desconto. Uma camisa Polo, por exemplo, sai por R$ 19,99.

Nas proximidades, na Rua São Bento, a Calçados Clóvis também se esmera nas promoções para ter bons resultados nas vendas.

O gerente Edvaldo Barbosa anda pela loja, por enquanto vazia, mostrando a promoção dos sapatos, que antes eram vendidos a R$ 129,99 e agora são vendidos por R$ 79,99 o par.

A loja também vai investir na contratação de funcionários para dar conta do esperado aumento do movimento.

“Vamos contratar funcionários. E aqui nós não contratamos temporários. Depois da experiência de 90 dias, o funcionário passa a ser fixo, com todos os direitos”, avisa ele.

FOTO: WLADIMIR MIRANDA