Brasil

Transformação do Minhocão em parque começa no segundo semestre


O primeiro trecho da obra, da Praça Roosevelt até o Largo do Arouche, é previsto pela gestão Covas para ficar pronto em 2020


  Por Estadão Conteúdo 21 de Fevereiro de 2019 às 17:37

  | Agência de notícias do jornal O Estado de S.Paulo


O prefeito Bruno Covas (PSDB) decidiu que o Elevado João Goulart, o Minhocão, que liga o centro à zona oeste de São Paulo, será desativado e vai ser transformado em um parque.

As obras para adaptação das quatro faixas elevadas, construídas na década de 1970, vão começar no segundo semestre deste ano. A expectativa é que o primeiro trecho do parque, da Praça Roosevelt até o Largo do Arouche, fique pronto já no ano que vem, a tempo de Covas apresentar a obra como uma marca de sua gestão para a disputa da reeleição. 

A necessidade de se desativar o Minhocão foi determinada pelo Plano Diretor da cidade de 2016, criado na gestão de Fernando Haddad (PT). Mas o petista deixou em aberto o que seria feito com a estrutura.

Covas decidiu que cumpriria a regra e decidiu estudar o que faria no espaço. A decisão foi postergada até que os custos fossem estimados e a questão dos viadutos da cidade, que precisam de reparos de emergência, fosse tida como equacionada.

As obras que ocorrem neste ano não devem interromper todo o tráfego, mas precisarão de esquema especial. Serão construídos nove pontos de acesso, entre escadas e elevadores, além de serviços para garantir a segurança dos pedestres do lugar, como mudanças nas grades laterais.

A ideia é que, além de áreas verdes e bancos, os apartamentos de prédios vizinhos ao Minhocão possam construir passarelas os conectando ao elevado e, nesses imóveis, transformá-los em pontos comerciais, como bares e restaurantes.

A equipe do prefeito vinha com a missão de decidir o destino do parque desde que Covas sucedeu João Doria (PSDB). O ex-prefeito, vale destacar, já havia mantido conversas com o escritório do arquiteto e político Jaime Lerner para revisar uma proposta de criação de parque que Lerner havia feito para a gestão Gilberto Kassab. 

Chegou-se a considerar a opção de derrubar toda a estrutura e revitalizar a Rua Amaral Gurgel e as Avenidas São João e General Olímpio da Silveira, que ficam sob o Minhocão, mas a ideia foi descartada por causa dos cálculos de custos das obras para mitigar os transtornos à população, como poeira, e por não ter como retirar dali, sem impactos, o corredor de ônibus que liga o centro à zona oeste. Então, se decidiu pela transformação da estrutura em um parque.

A estimativa é que esta primeira fase das obras deva custar R$ 38 milhões. 

O tema é alvo de polêmicas na cidade. Enquanto a Câmara Municipal já aprovou uma lei criando parque no Minhocão, de autoria de José Police Neto (PSD), há discussões agora de uma lei para demolir a estrutura, de autoria de Caio Miranda (PSB).

 

IMAGEM: Dario Oliveira/Estadão Conteúdo