Brasil

Skaf promete apoiar micro e pequenos empresários


Em palestra na ACSP, o candidato ao governo paulista lembrou que são eles que empregam mais de 50% dos trabalhadores paulistas


  Por Wladimir Miranda 17 de Setembro de 2018 às 17:09

  | Repórter vmiranda@dcomercio.com.br


Ao palestrar para uma plateia de mais de 200 pessoas, na sede da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), no centro histórico de São Paulo, o candidato ao governo paulista Paulo Skaf (MDB) disse que, se eleito, vai apoiar os micros e pequenos empresários paulistas. O evento faz parte do ciclo Eleições 2018, promovido pela ACSP.

“Vou facilitar muito a vida dos micros e pequenos negócios em São Paulo. Afinal, 90% das empresas de São Paulo são compostos por micros e pequenos negócios. E estes pequenos negócios empregam mais de 50% dos trabalhadores do estado. Essas empresas precisam de crédito e de menos burocracia. Fazendo isto, estaremos incentivando o empreendedorismo no estado”, afirmou, garantindo que, para cumprir o objetivo, não vai depender da boa vontade do governo federal e que é preciso tirar “da frente as pedras da burocracia”.

As últimas pesquisas de intenção votos apontaram Paulo Skaf e João Doria, do PSDB empatados tecnicamente em primeiro lugar na corrida ao Palácio dos Bandeirantes.

A disputa acirrada gera troca de farpas entre os dois candidatos.

Nos últimos dias, uma reportagem da rádio CBN mostrou que Doria teria utilizado imagens de escolas públicas dos Estados Unidos e da Rússia em sua campanha, como se fossem de instituições de ensino da cidade de São Paulo.

De acordo com a matéria, o objetivo de Doria seria mostrar o quanto o setor de educação teria melhorado durante os 15 meses em que foi prefeito da cidade.

Questionado a respeito da peça publicitária do adversário, Paulo Skaf disse: “O candidato a governador tem de ter caráter. Se ele não tem caráter, se ganhar a eleição, será um governador sem caráter. Porque as pessoas não mudam. Então eu entendo que cada um tem de responsabilidade sobre seus atos. Isto é um absurdo, apresentar imagens de creches de escolas dos Estados Unidos e da Rússia como se fossem de nossas escolas. O V da minha campanha é o V da verdade, não da vitória. O mais importante para mim é a verdade”, afirmou.

Skaf disse que vai fazer uma grande revolução no ensino público, dando como exemplo o trabalho que faz no Serviço Social da Indústria – Sesi. “E tudo gratuito, como determina a nossa Constituição.”

Paulo Antonio Skaf, tem 62 anos, é presidente licenciado da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), do Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (Ciesp), do Serviço Social da Indústria – Sesi-SP, do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial – Senai-SP, do Instituto Roberto Simonsen – IRS -, e do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas – Sebrae/SP.

Com livre trânsito nos meios políticos, Skaf se define como um defensor das condições de igualdade para que as indústrias brasileiras tenham força para competir com o capital estrangeiro. Trata-se de um porta-voz do capitalismo nacional.

Crítico ferrenho das altas taxas de impostos praticadas no Brasil, Skaf não se cansa de dizer que é muito desvantajoso exportar no Brasil.

“Temos impostos sobre impostos”, diz.

Falando na sede da ACSP, que se notabiliza por mostrar na fachada de seu prédio no centro de São Paulo o painel do impostômetro, com a marcha veloz e constante dos números das altas taxas de impostos cobrados no país, Skaf prometeu que, se for eleito, fará o possível para não aumentar impostos.

A segurança pública do estado foi duramente criticada por Skaf:

“O índice de homicídios divulgado atualmente é uma enganação. Por dia, 23 escolas são assaltadas. Em duas horas, 200 pessoas são roubadas em São Paulo. Em duas horas, três mulheres e menores são violentadas. A saída é reorganizar a polícia de São Paulo. A Polícia Militar, a Polícia Civil e a Polícia Técnica e Científica precisam ser reequipadas. Precisamos de entrosamento entre as polícias. Precisamos do exército do bem para combater o exército do mal. E o exército do bem atualmente está despreparado. No momento, as penitenciárias estão nas mãos do crime organizado”, afirmou.

O ciclo Eleições 2018 foi presidido por Roberto Mateus Ordine, vice-presidente da ACSP e da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo – Facesp.

Também fizeram parte da mesa, João Bico e Abdo Antônio Hadade, vice-presidentes da ACSP e da Facesp; Flávio Rocha, empresário, ex-presidente das Lojas Riachuelo e Guilherme Afif Domingos, presidente do Sebrae/nacional.