Brasil

Quarentena é prorrogada até dia 10 de agosto em São Paulo


Sem grandes variações nos indicadores da epidemia no estado, maioria das regiões permaneceu na fase 2 (laranja) do plano de flexibilização


  Por Redação DC 24 de Julho de 2020 às 16:06

  | Da equipe de jornalistas do Diário do Comércio


O governo do estado de São Paulo estendeu a quarentena pela oitava vez seguida. A necessidade de isolamento social continua até o dia 10 de agosto, com a possibilidade de nova prorrogação.

Não houve agravamento dos indicadores da epidemia na maioria das regiões do estado. Nenhuma regrediu de fase no Plano São Paulo, que tem flexibilizado a quarentena de acordo com a evolução regional do número de infectados ou mortos pela covid-19, e a disponibilidade de leitos hospitalares.

A região de Campinas saiu da fase 1 (vermelha), na qual apenas o comércio essencial pode abrir, para a fase 2 (laranja), que permite o funcionamento de escritórios em geral, imobiliárias, comércio de rua, shoppings e concessionárias, com 20% da capacidade de público. O mesmo movimento fez a região de Araçatuba.

A abertura na fase laranja é restrita a quatro horas diárias, todos os dias, ou seis horas durante quatro dias e fechamento por três. A maioria do estado se encontra nessa etapa da flexibilização.

Apenas três regiões permaneceram na fase mais rígida, a vermelha. A ocupação de leitos é preocupante nas áreas cobertas pelas cidades de Franca, Piracicaba e Ribeirão Preto.

LEIA MAIS: Governo de São Paulo altera critérios para reabertura da economia

Já a flexibilização intermediária da fase 3 (amarela) abrange as regiões de Araraquara, Baixada Santista e Registro, além da capital e sub-regiões Leste, Oeste, Sul e Sudeste da Grande São Paulo.

A etapa amarela da flexibilização permite a reabertura de bares, restaurantes e salões de beleza com 40% da capacidade, além de academias com 30% de vagas e expediente limitado a seis horas por dia.

A permanência por 28 dias seguidos na fase amarela também permite a reabertura, com limitações, de espaços culturais como museus, bibliotecas, cinemas, teatros e salas de espetáculos.

Assim, as prefeituras da capital e os municípios das regiões do ABC e de Taboão da Serra poderão autorizar essa flexibilização maior a partir da próxima segunda (27/07), após aprovação de protocolos sanitários específicos.

EVITE MULTAS

Os estabelecimentos comerciais do estado de São Paulo que têm a permissão de abrir durante a quarentena precisam ficar atentos às regras sanitárias.

Decreto do governo estadual determina que o uso de máscara é obrigatório dentro dos pontos comerciais. Além disso, o estabelecimento será responsável por fornecer máscara para clientes que não estiverem usando, e terão de afixar cartaz informando que o item de proteção é de uso é obrigatório.

O estabelecimento flagrado recebendo clientes sem máscara receberá multa no valor de R$ 5.025,02 por cliente sem o item de proteção. Caso não informe sobre a obrigatoriedade por meio de cartaz, terá de pagar multa de R$ 1.380,50.

A Associação Comercial de São Paulo (ACSP) fornece gratuitamente a arte para o cartaz informativo que pode ser obtido no link: https://bit.ly/2OPQ4Jp .

 

IMAGEM: Governo do Estado de São Paulo/divulgação





Publicidade





Publicidade





Publicidade