Brasil

PT e aliados afundam ainda mais no segundo turno


Partido de Lula foi derrotado em Santo André e em todo o ABC paulista. Eleitorado petista também tinha como opção o Psol, mas perdeu com ele em Sorocaba, Belém e Rio de Janeiro, onde venceu Marcelo Crivella, do PRB (foto)


  Por João Batista Natali 30 de Outubro de 2016 às 19:00

  | Ex-correspondente da Folha de S.Paulo em Paris, é autor "Jornalismo Internacional" (Contexto)


O segundo turno deste domingo (30/10) confirmou amplamente a tendência do primeiro turno das eleições municipais, com a derrota do Partido dos Trabalhadores e seus aliados e o fortalecimento do PSDB ligado ao governador de São Paulo, Geraldo Alckmin.

O Psol, de extrema esquerda, opção para os eleitores petistas derrotados am 2 de outubro, também colecionou importantes derrotas, a começar do Rio de Janeiro, onde Marcelo Freixo - conforme as pesquisas eleitorais já vinham antecipando - perdeu a prefeitura parra Marcelo Crivella (PRB).

O mesmo ocorreu em Belém, no Pará, onde o candidato do Psol foi derrotado pelo tucano Zenaldo Coutinho.

A derrota petista foi mais eloquente na região do ABC paulista, seu antigo reduto eleitoral. Em São Bernardo do Campo se elegeu Orlando Morando (PSDB), derrotando Alex Manente (PPS) que estava sendo apoiado pelos eleitores petistas como forma de evitar uma vitória dos tucanos. O candidato do PT se desclassificou no primeiro turno.

Em Santo André, o prefeito petista Carlos Grana, que tentava a reeleição, foi fragorosamente derrotado, com 80% dos votos, pelo tucano Paulo Serra.

Em Mauá, o petista Donisete Braga foi derrotado por Átila Jacomussi (PSD). Em Osasco, o ex-petista Jorge Lapas (PDT), o mais identificado com seu antigo partido, foi derrotado por Rogério Lins (PTN), que também já foi do PT, mas que concorria com uma nova imagem partidária mais sólida.

Quanto ao interior de São Paulo, o PSDB foi vitorioso no segundo turno em Jundiai e Ribeirão Preto. Com o primeiro turno, o partido totaliza 167 prefeituras no Estado. O PSD elegeu o prefeito de Bauru.

Em Santa Maria, no Rio Grande do Sul, um dos poucos confrontos diretos entre tucanos e petistas, o PSDB elegeu Jorge Pozzobom por uma margem inferior a 2% dos votos.

Outras prefeituras em que o PSDB se saiu melhor foram Porto Alegre, com Nelson Marchezan e Maceió, com Rui Palmeira .

Os tucanos sofreram séria derrota em Belo Horizonte, onde João Leite, que despontava nas intenções de voto depois de 2 de outubro, perdeu para Alexandre Kalil (PHS).

O grande perdedor, no caso, é indiretamente o senador Aécio Neves (PSDB-MG), presidente nacional de seu partido.

LEIA MAIS: Eleições provocam um brutal emagrecimento do PT

A atual oposição ao presidente Michel Temer registrou vitórias em São Luís, com Edivaldo Holanda, e Fortaleza, com Roberto Cláudio.

Eram dois candidatos do PDT, o primeiro apoiado pelo governador Flávio Dino, do PC do B, e o segundo pelo ex-governador cearense Ciro Gomes, um dos maiores defensores de Dilma Rousseff no processo de impeachment.

Por fim, a Rede Sustentabilidade, de Marina Silva, elegeu um primeiro prefeito de capital, em Macapá, derrotando um peemedebista no segundo turno.

FOTO: André Horta/Estadão Conteúdo