Brasil

Por coronavírus, prefeitura de São Paulo manda fechar comércio


Medida, que entra em vigor a partir desta sexta-feira, 20 de março, para coibir a propagação do Covid 19, não vale para farmácias, supermercados, padarias, restaurantes e postos de combustíveis


  Por Redação DC 18 de Março de 2020 às 19:27

  | Da equipe de jornalistas do Diário do Comércio


Todo o comércio da cidade de São Paulo será paralisado a partir desta sexta-feira, 20 de março, por força de um decreto municipal para tentar conter a propagação do novo coronavírus.

A medida, sem precedentes, exclui mercados, farmácias, padarias, restaurantes, postos de combustível e locais de venda de produtos para animais. São Paulo ficará parada ao menos até 5 de abril, segundo o decreto assinado pelo prefeito Bruno Covas (PSDB).

A entrega de produtos em casa comprados pela internet está liberada, mas o comércio ambulante está inteiramente banido no período. Também está de fora a prestação de serviços, como agências bancárias e lotéricas.

LEIA MAIS:  Pequenos empresários podem prorrogar pagamentos de dívidas

"Cabe às subprefeituras, de acordo com o decreto, suspender os Termos de Permissão de Uso de profissionais autônomos localizados em áreas de grande concentração de ambulantes. E à Guarda Civil Metropolitana, intensificar a retirada de todo comércio ambulante ilegal", diz a prefeitura, em nota.

Os locais que ficarem abertos terão de fornecer álcool em gel para os clientes. A prefeitura ainda não divulgou qual será a punição para quem desrespeitar a norma, que será publicada no Diário Oficial da cidade.

Mais cedo, o governador João Doria (PSDB) havia convocado entrevista coletiva em que anunciou que recomendaria aos shoppings de toda a Grande São Paulo que fechassem as portas a partir de segunda-feira. A medida de Covas, aliado de Doria, atropela o anúncio do governador, e impõe o fechamento dos shoppings já neste fim de semana.

FOTO: Wladimir Miranda





Publicidade





Publicidade





Publicidade