Brasil

Militares montam estrutura na mata para prender criminosos na Rocinha


Diferentemente de outras ações das Forças Armadas no Rio, desta vez as tropas estão atuando nos acessos à comunidade e na vegetação de mata fechada, com o uso de helicópteros para desembarcar soldados treinados para fazer o reconhecimento


  Por Agência Brasil 22 de Setembro de 2017 às 21:45

  | Agência de notícias da Empresa Brasileira de Comunicação.


O chefe do Estado-Maior Conjunto das Operações em Apoio ao Plano Nacional de Segurança no Rio de Janeiro, almirante Roberto Rossatto, disse hoje (22/09) que as Forças Armadas vão apoiar a retomada do controle da favela da Rocinha com ações na mata e nas principais vias de acesso à comunidade para que as forças de segurança estaduais atuem com mais facilidade.

Segundo Rossatto, diferentemente das outras ações das Forças Armadas no Rio, desta vez as tropas estão atuando nos acessos à comunidade atingida e no seu entorno, na vegetação de mata fechada, com o uso de helicópteros para desembarcar homens do Exército treinados para fazer o reconhecimento e militares para auxiliar a comunicação da operação.

O almirante disse que a Estrada da Gávea divide a comunidade em duas partes: de um lado a Rocinha e do outro o Vidigal e, por isso, foi feito um cerco modificado, dividindo o terreno, para que as tropas possam atuar com maior eficácia. As Forças Armadas vão permanecer na Rocinha por tempo indeterminado, segundo Rossato.

O secretário de Segurança do Rio de Janeiro, Roberto Sá, disse que os criminosos estão, em sua maioria, abrigados na mata, mas como a Rocinha é muito grande, eles podem estar escondidos também em casas na comunidade.

Sobre a declaração do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que sugeriu ao Luiz Fernando Pezão a exoneração do secretário de Segurança, Sá disse que respeita a posição do parlamentar e que seu cargo pertence ao governador.

LEIA MAIS: Assaltos, sequestros relâmpagos e o medo rondam o Butantã, em São Paulo

Em nota, a assessoria do governo fluminense defendeu a gestão de Sá na secretaria. “O estado tem trabalhado de forma integrada com as forças federais, sob a coordenação do secretário de Segurança, Roberto Sá, que tem sido incansável no cumprimento do dever.”

BALANÇO

As ações realizadas desde domingo (17/09) por policiais da 11ª Delegacia de Polícia (Rocinha), em conjunto com policiais militares, resultaram na prisão de três pessoas, identificadas como Edson Gomes Ferreira, Wilklen Nobre Barcellos e Fabio Ribeiro França.
Quatro criminosos morreram nos confrontos, um deles era Thiago Fernandes Da Silva. Os outros três corpos ainda não foram identificados, sendo que dois deles foram encontrados carbonizados. Seis pessoas ficaram feridas e foram socorridas e encaminhados ao Hospital Miguel Couto.

LEIA MAIS: Indústria perde R$ 27 bilhões por falta de segurança

FOTOS: Agência Brasil/Fernando Frazão