Brasil

Michel Temer se entrega à PF em São Paulo


Tribunal Regional Federal revogou o habeas corpus que mantinha o ex-presidente e o coronel Lima soltos


  Por Estadão Conteúdo 09 de Maio de 2019 às 15:19

  | Agência de notícias do jornal O Estado de S.Paulo


O carro com o ex-presidente Michel Temer chegou nesta tarde à Superintendência da Polícia Federal (PF) de São Paulo, na Lapa, zona oeste da capital paulista.

Temer se entregou para o cumprimento da prisão preventiva no âmbito da Operação Descontaminação, braço da Lava Jato no Rio. O ex-presidente e João Baptista Lima Filho, coronel da reserva da Polícia Militar paulista, são investigados por supostos desvios em contratos de obras na usina Angra 3, operada pela Eletronuclear.

Os investigadores apontam desvios de R$ 1,8 bilhão.

Na quarta-feira (08/05), a Primeira Turma do Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF-2) decidiu que Temer e o coronel Lima deveriam ser presos novamente. Por 2 votos 1, a turma revogou a liminar que havia liberado os dois da prisão quatro dias após serem detidos, em março.

HABEAS CORPUS 

A defesa do ex-presidente pediu Justiça que ele fique numa sala de Estado-Maior no Quartel-General (QG) da Polícia Militar da cidade. Os advogados também apresentaram um pedido de habeas corpus no Superior Tribunal de Justiça (STJ). 

A relatoria do processo no STJ ainda não foi definida, mas há uma expectativa de que o habeas corpus seja encaminhado para o ministro Antonio Saldanha, segundo apurou o Broadcast Político, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado.

GRITOS DE "LADRÃO"

Temer partiu de sua residência no Alto de Pinheiros, zona oeste da capital paulista. Pouco antes da partida, chegou à casa o advogado de Temer Eduardo Carnelós. 

O ex-presidente tinha até as 17 horas para comparecer ao local. Temer estava em um carro preto, com vidros escuros, sentado no banco de trás. O veículo era acompanhado por outro, da escolta do ex-presidente.

Horas antes, quando saiu de sua casa, pessoas que estavam na praça em frente à residência gritaram "Temer ladrão".

IMAGEM: Amanda Perobelli/Reuters