Brasil

Márcio França acredita que pode repetir 2018 e seguir para segundo turno


O candidato pelo PSB cresceu nas pesquisas e aparece na quarta posição na corrida pela prefeitura de São Paulo


  Por Renato Carbonari Ibelli 23 de Outubro de 2020 às 13:46

  | Editor ibelli.dc@gmail.com


Em ascensão nas pesquisas de intenção de votos para prefeitura de São Paulo, Márcio França (PSB) acredita em uma arrancada final que o levará ao segundo turno, a exemplo do que ocorreu em 2018, quando surpreendeu ao superar Paulo Skaf (MDB) e seguir na disputa pelo governo do estado com João Doria (PSDB).

Nas contas de França, em algumas semanas estará com 15% das intenções de votos, dividindo o segundo lugar com Guilherme Boulos (Psol) e Celso Russomanno (Republicanos).  

Pesquisa do Datafolha divulgada na quinta-feira (22) mostra França saindo de 8% para 10% das intenções, Boulos avançando de 12% para 14% e Russomano em queda, de 27% para 20%, sendo superado pelo prefeito Bruno Covas (PSDB), que foi de 21% para 23%.

“Já ganhei deles [do PSDB] antes com mais de 1 milhão de votos aqui na capital. Tenho bom tempo de tv, vários vereadores apoiando, mas sou prejudicado pela falta de debate. Sabem que se eu for para o segundo turno eu ganho”, disse França durante debate com empresários promovido nesta sexta-feira (23/10) pela Associação Comercial de São Paulo (ACSP).

O candidato pelo PSB acredita que os debates mostrariam as fraquezas de seus adversários atuais. Disse que Russomanno, ao colar a imagem ao presidente Bolsonaro, espelha o “Bolsodoria” de 2018. Depois de eleito, Doria descolou do presidente e passou a divergir de suas posições. “A população ficou chateada com essa situação”, disse.

Quanto a Boulos, outro adversário pela proximidade nas pesquisas, França acredita que “seu extremismo” limita seu desempenho. “Ele quer acabar com a Polícia Militar. Quem vai proteger a população”, questionou o candidato.

Ele ainda espera que os votos em Jilmar Tatto (PT) cresçam com a maior presença do ex-presidente Lula na campanha do petista, o que arrancaria votos de Boulos. “Colado em Lula, Tatto pode chegar a 10% nas pesquisas”, afirmou.

ACORDO PARTIDÁRIO

França disse que não há rotatividade de poder em São Paulo porque a cidade está refém de um acordo partidário. “O MDB fica com a prefeitura, o DEM com o governo do estado e o PSDB com a presidência. É isso que querem... prefeito não pode ser cabo eleitoral”, disse.

O candidato afirmou que dos 27 mil contratos em andamento na capital paulista, 92% envolvem as mesmas empresas há mais de 20 anos. “Toda a máquina empurra favoravelmente à reeleição do atual prefeito.”

Um exemplo citado por França são as empresas de transporte, que segundo ele não responderiam mais à prefeitura, mas a vereadores. “A prefeitura não conseguiu integrar a SPTrans. Aliás, qualquer assunto envolvendo transporte tem que falar com vereador.  A prefeitura está terceirizada, virou um sub-gabinete na câmara.”

CAOS PÓS-PANDEMIA

O candidato pelo PSB disse que há grande chance de o caos se instalar em São Paulo a partir de janeiro, quando acabam o auxílio emergencial e os acordos de redução de salários entre empregadores e empregados.

“Em janeiro 27% da população de São Paulo, que hoje recebe o auxílio emergencial, deixará de ter a ajuda. Se deixarmos essa multidão sem amparo, evidentemente que teremos tumulto”, afirmou França.

O candidato disse que seu plano de governo reserva R$ 2,5 bilhões do orçamento da cidade para evitar que essa situação ocorra. Para conseguir o recurso planeja cortar 99% dos cargos comissionados, o que garantiria uma economia de R$ 800 milhões em um ano, pelas suas contas.

O restante seria obtido resgatando valores a receber de convênios feitos no passado entre a prefeitura e organizações sociais. “Tem R$ 1,7 bilhões de saldo”, disse o candidato.

O recurso, pelos planos de França, seria usado como auxílio pós-pandemia a desempregados, que receberiam capacitação, mas teriam de participar de atividades comunitárias três dias por semana.   

CRÉDITO PARA EMPRESAS

França disse ainda a empresários que participaram do debate na ACSP que seu projeto traz a criação de linhas de crédito no valor de R$ 20 mil para comerciante reabrirem seus negócios. “O valor será subsidiado pela prefeitura e poderá ser reembolsado em 24 meses, sem juros e correção”, disse.

Para os empreendedores, o candidato disse que haverá empréstimo de R$ 3 mil, valor que poderá ser quitados em 30 prestações.

Além do recurso financeiro, o candidato à prefeitura de São Paulo disse que vai estimular os pequenos empresários da cidade a produzirem. “A prefeitura ainda não comprou os uniformes para os estudantes. Quero que as pequenas confecções produzam esse material.”

França criticou a forma como o prefeito Bruno Covas, que lidera as pesquisas, conduziu a volta às aulas. “É mentira que tem aula remota pra criança pobre. Meus netos estarão na tabuada do 9 e eles [alunos pobres] na do 3. Eles não têm celular, tablet.”

O candidato pelo PSB disse que pretende abrir todas as escolas públicas o quanto antes para que em setembro seus alunos estejam no mesmo patamar daqueles das escolas particulares.

LEIA MAIS:

Partidos de centro-direita ganham terreno nas eleições municipais

Joice Hasselmann quer novo modelo de licitação para o transporte da capital paulista

Russomanno diz que vai atrair empresas para São Paulo com ISS menor

Na disputa pela prefeitura de SP, Matarazzo promete parcelar IPTU das empresas

Pandemia deixa rombo de R$ 10 bi nos cofres da prefeitura de São Paulo

Colar nome a Bolsonaro ou Doria é negativo para candidatos à prefeitura de SP    

 

IMAGEM: Jeferson de Oliveira / Somniare





Publicidade





Publicidade





Publicidade