Brasil

Governo de São Paulo endurece quarentena no interior do estado


As regiões de Barretos, Presidente Prudente e Ribeirão Preto terão o comércio fechado novamente. Campinas e Sorocaba podem ser as próximas


  Por Renato Carbonari Ibelli 10 de Junho de 2020 às 14:38

  | Editor ibelli.dc@gmail.com


O governo de São Paulo vai endurecer a quarentena no interior do estado a partir do dia 15 de junho. O aumento do número de internações pela covid-19 e de óbitos causados pala doença vai obrigar o comércio de regiões como as de Presidente Prudente, Barretos e Ribeirão Preto fecharem novamente.

Dentro do que o governo paulista tem chamado de retomada consciente, o estado foi mapeado e as diferentes regiões classificadas em cinco fases distintas conforme a capacidade local dos leitos hospitalares e evolução da pandemia. Na fase 1, comércio e serviços não essenciais precisam estar fechados. Na fase 5, a abertura é completa.

Quando o plano foi anunciado, em 27 de maio, quatro regiões foram colocadas na fase 3, que além do comércio em geral permitia a abertura de bares, restaurantes e similares. Eram as regiões de Araraquara, Barretos, Presidente Prudente e Bauru.

Com a piora detectada nessas localidades, a partir do dia 15 de junho, Barretos e Presidente Prudente voltarão para a fase 1, com a quarentena mais rígida, com todo o comércio e serviços não essenciais obrigados a fechar. Ribeirão Preto, que na leitura anterior estava na fase 2, também regrediu para a fase 1.

Elas ficam nessa situação até pelo menos dia 28 de junho, quando uma nova leitura da situação do estado será concluída.   

Segundo Patricia Ellen, secretária de Desenvolvimento Econômico do estado, nos últimos sete dias, comparados com os sete dias anteriores, a região de Barretos registrou aumento de 93% no número de internações pela covid-19 e de 100% nos óbitos.

Em igual comparação, a região de Ribeirão Preto teve crescimento de 51% nas internações e de 100% nos óbitos. Em Presidente Prudente e entorno, as internações avançaram 60% e as mortes pelo vírus 50%.

A secretária disse também que os números estão preocupantes nas regiões de Campinas e Sorocaba, embora essas tenham permanecido na fase 2, a mesma em que iniciaram.

“Há três semanas, o nosso comitê de combate ao coronavírus mostrava que os casos da doença se estabilizariam na região metropolitana e aumentariam no interior. Foi exatamente o que aconteceu”, disse o governador João Doria nesta quarta-feira, 10/06, em coletiva no Palácio dos Bandeirantes.

REGIÃO METROPOLITANA

Também a partir do dia 15 de junho, a flexibilização vai aumentar na Região Metropolitana, Baixada Santista e Vale do Ribeira, regiões que estavam na fase mais dura da quarentena e passaram para a fase 2, que permite a abertura do comércio em geral e escritórios comerciais além de alguns serviços.

A cidade de São Paulo, que já estava na fase 2 desde que a retomada consciente foi anunciada, em 27 de maio, teve nesta quarta-feira a liberação, pela Prefeitura, para funcionamento de lojas de rua.

A flexibilização da quarentena no estado de São Paulo está sendo feita de maneira gradual. A cada semana, as diferentes regiões terão os casos de coronavírus e a capacidade do sistema de saúde analisados.

Se os números estiverem estáveis, a região é movida para a fase seguinte, menos rígida.  Caso as análises semanais mostrem piora nos indicadores de alguma região, ela será movida para uma fase anterior.

 

IMAGEM: Governo do Estado de São Paulo