Brasil

Governo aguarda contrapropostas à reforma da Previdência


Projeto que aborda aposentadorias ainda será avaliado na Câmara


  Por Estadão Conteúdo 03 de Fevereiro de 2017 às 14:28

  | Agência de notícias do jornal O Estado de S.Paulo


O secretário da Previdência, Marcelo Caetano, disse, nesta sexta-feira (03/02), que o governo segue aguardando a contraproposta da Câmara em relação a mudanças no projeto de reforma das aposentadorias.

Após participar de debate sobre a reforma da Previdência na Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Caetano afirmou que o governo está aberto a analisar mudanças no texto original. 

No entanto, Caetano repetiu que uma flexibilização muito grande da proposta de emenda constitucional comprometeria seus ganhos e exigiria a discussão de uma nova reforma futuramente.

"Se houver ao longo do caminho muita diluição em relação ao que foi proposto originalmente, o gasto da Previdência vai crescer bastante e vai haver muita dificuldade em se pagar o beneficio lá na frente", advertiu.

Caetano evitou comentar quais pontos do texto original o governo estaria disposto a negociar.

"Temos que receber as contrapropostas para saber o que vai ser feito", afirmou. 

Questionado se o Planalto poderia ceder na intenção de equalizar em 65 anos a idade mínima de aposentadoria tanto de homens quanto de mulheres, ele respondeu que a unificação das idades é uma tendência internacional e o governo trabalha para isso.

Disse ainda que a soberania do Congresso em definir a velocidade de tramitação e alterações no projeto será respeitada. Porém, ressaltou o interesse do Planalto em manter "o máximo possível" da proposta original. 

"Se começarmos a mudar muito, podem-se arrefecer bastante os ganhos e forçar uma reforma muito forte lá na frente", disse o secretário. 

O Caetano voltou a dizer que o ideal seria a aprovação completa da reforma da Previdência no Congresso ainda no primeiro semestre deste ano. 

Sobre como ficarão as regras de aposentadoria dos militares, não incluídos no projeto encaminhado à Câmara, ele respondeu que esse é um tema a ser discutido.

IMAGEM: Thinkstock