Brasil

Facesp e ACSP apoiam o Projeto Sorrindo Sempre


Diretoria das entidades se reuniu com o cirurgião-dentista Jaelson Nascimento (Dir.), um dos responsáveis pelo projeto, para formalizar apoio à iniciativa que já alcança 20 estados brasileiros


  Por Wladimir Miranda 21 de Novembro de 2018 às 18:23

  | Repórter vmiranda@dcomercio.com.br


A Fissura de Lábio e Palato é uma abertura direta entre a base do nariz e o céu da boca. Trata-se de uma deformidade congênita, que atinge estruturas dos tecidos mole e ósseo. E é mais comum do que se imagina.

CRIANÇA APÓS A CIRURGIA DE REPARAÇÃO FACIAL

Estimativas do Projeto Sorrindo Sempre indicam que uma em cada 700 crianças que nascem no mundo sofre as consequências dessa doença congênita, mais conhecida como lábio leporino.

No Brasil, existem 295 mil crianças com o problema.

São várias as complicações provocadas pela doença, tais como desnutrição, anemia, rinite, sinusite, otite, pneumonia e infecções crônicas que podem levar o paciente à morte. Além de problemas psicológicos e de isolamento social provenientes da aparência, por tornar a criança alvo de bullying.

O lábio leporino tem diversas causas: desnutrição da mãe durante a gravidez, uso de bebida alcoólica, cigarros e alguns medicamentos como corticoides e anticonvulsivantes.

Em alguns casos, existe a predisposição genética. A deformidade ocorre no primeiro trimestre da gestação.

Crianças com Fissura de Lábio e Palato não conseguem se alimentar adequadamente, falar corretamente, não frequentam escola por causa do preconceito com a aparência, são retraídas, têm baixa autoestima, dificilmente sorriem, estão quase sempre com a saúde debilitada e com infecções decorrentes.

Esta é a realidade para milhões de crianças. Por ano, nascem mais de 170.000 crianças com fissura no mundo. No Brasil, nascem 6 mil crianças com lábio leporino por ano.

O problema é que poucas têm acesso à cirurgia reparadora e ao tratamento de reabilitação.

OS CIRURGIÕES-DENTISTA JAELSON E JACINTA NASCIMENTO 

“Nascer com fissura em um país em desenvolvimento é realmente uma sentença de vida, vergonha e isolamento”, afirma o cirurgião-dentista Jaelson Nascimento que, junto com a irmã Jacinta Nascimento, que tem a mesma especialidade, idealizou e coordenou o Projeto Sorrindo Sempre, com o apoio do Rotary Jardim das Bandeiras – Rotary Internacional – Distrito 4610, e também da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp), na figura do seu vice-presidente, Marco Bertaiolli, e da Associação Comercial de São Paulo (ACSP).

A ACSP é pioneira no projeto, segundo Jaelson, que lembra a importância da Facesp no Projeto Sorrindo Sempre.

"Como tem alcance estadual, a Facesp ajuda bastante na orientação e encaminhamento das crianças portadoras da deformidade para o atendimento no nosso projeto."

Até julho deste ano, o Projeto Sorrindo Sempre já havia atendido e feito a reparação facial em 5 mil crianças portadoras da deformidade.

O programa também tem o apoio da Associação Brasileira de Projetos Sociais (ABPS-INOVARE), Associação Smile -Train Brasil e 41 Centros de Reabilitação presentes em 20 estados brasileiros.

As cirurgias plásticas reparadoras e os tratamentos de reabilitação do lábio leporino contam com o apoio de médicos, dentistas, fonoaudiólogos, nutricionistas, psicólogos e equipe multidisciplinar. E, o mais importante, as cirurgias, e todo o tratamento, são gratuitos.

“Em nossa atividade profissional nos deparamos com milhares de crianças com essa deformidade facial. Essas crianças chegam para o tratamento com sérios problemas de saúde. Damos a elas não somente um novo sorriso, mas uma nova chance de vida”, disse Jaelson.

Além de aderir à campanha por novos apoiadores, a Facesp convoca as 420 associações comerciais do Estado de São Paulo a ajudarem a Campanha Nacional Doe Sorrisos e Salve Vidas de Crianças com Fissura de Lábio e Palato.

Fotos e vídeos: Divulgação do Projeto Sorrindo Sempre