Brasil

Desemprego ainda atinge 11,8 milhões


As ocupações informais permanecem liderando a geração de vagas, de acordo com o IBGE. A renda média real do trabalhador no trimestre encerrado em novembro foi de R$ 2,3 mil


  Por Estadão Conteúdo 27 de Dezembro de 2019 às 09:57

  | Agência de notícias do jornal O Estado de S.Paulo


A queda na taxa de desemprego mostra um mercado de trabalho que segue se recuperando lentamente, mas com uma ligeira melhora no cenário dos últimos meses. As ocupações informais permanecem liderando a geração de vagas. No trimestre encerrado em novembro, a taxa de desocupação no Brasil ficou em 11,2%, de acordo com os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua) divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O total de desempregados é de 11,863 milhões de pessoas. O resultado surpreendeu positivamente o mercado, por vir abaixo do esperado. Segundo levantamento realizado pelo Broadcast, serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado, os analistas estimavam uma taxa de desemprego entre 11,3% e 11,5%, com mediana de 11,4%.

COMPARAÇÕES

Como comparação, em igual período de 2018, a taxa de desemprego medida pela Pnad Contínua estava em 11,6%. No trimestre até outubro deste ano, a taxa também foi de 11,6%.

RENDA MÉDIA

A renda média real do trabalhador no trimestre encerrado em novembro foi de R$ 2.332. O resultado representa alta de 1,2% em relação ao mesmo período do ano anterior. A massa de renda real habitual paga aos ocupados somou R$ R$ 215,104 bilhões no trimestre até novembro, alta de 3,0% ante igual período do ano anterior.

INFORMALIDADE

Já a taxa de informalidade (considerando a soma de todas as ocupações consideradas informais) ficou em 41,1% no trimestre até novembro. Com isso, o Brasil tem um recorde de 38,833 milhões de brasileiros atuando na informalidade.

FOTO: Pixabay