Brasil

Defesa da Lava Jato mobiliza 200 cidades em todo o país


Vestidos de verde e amarelo, milhares de manifestantes vão às ruas. Protestos se voltam contra o presidente do Senado e a manobra dos deputados para desfigurar proposta contra corrupção


  Por Agência Brasil 04 de Dezembro de 2016 às 13:23

  | Agência de notícias da Empresa Brasileira de Comunicação.


Desde a manhã de domingo, milhares de pessoas vestidas de verde e amarelo e com a bandeiras do Brasil se reuniram em cerca de 200 cidades, Entre elas Brasília, Rio de Janeiro, São Paulo e várias no interior do estado. 

O protesto ocorre em defesa da Operação Lava Jato e contra o pacote de medidas anticorrupção aprovado com modificações pela Câmara dos Deputados na madrugada do dia 30 de novembro. A multidão, em cartazes e palavras de ordem também pede a renúncia do presidente do Senado, Renan Calheiros.

Em Brasília, segundo a Polícia Militar, entre 4 e 5 mil pessoas participavam pacificamente do protesto na Esplanada dos Ministérios. Para os organizadores, são mais 15 mil manifestantes. Alguns manifestantes conseguiram chegar próximo ao espelho d'água do Congresso Nacional, onde espalharam desenhos de ratos, simbolizando, segundo eles, os políticos.

A maioria dos manifestantes portava faixas contra o presidente do Congresso, senador Renan Calheiros e cartazes com frases como "Somos todos Sérgio Moro", "Fora Corrupção", "Estamos de olho: a Lava Jato não será sabotada", "Fim do foro privilegiado" e "Pressa do julgamento de políticos no STF".

Os eventos ocorrem em pelo menos 200 cidades do país em horários diferentes. Entre os movimentos que convocaram os protestos, estão o Vem pra Rua e o Avança Brasil. 

No Rio de Janeiro, centenas de pessoas se aglomeraram nos cerca de 800 metros que separam os postos 4 e 5 da Praia de Copacabana, em manifestações contra a decisão da Câmara dos Deputados distorcer a proposta de 10 medidas de combate à corrupção. 

O protesto na cidade atendeu convocação do Movimento Vem pra Rua, Associação dos Magistrados do Rio de Janeiro (Amaerj) e Associação do Ministério Público do Estado (Amperj). Na avaliação dessas entidades, "a manifestação é uma oportunidade para que todos se juntem contra a responsabilização criminal de juízes e membros do Ministério Público".

 Imagem: Agência Brasil