Brasil

Crise de energia em pauta na ACSP


A Associação Comercial de São Paulo (ACSP) promove, na próxima terça-feira (4/08), seminário sobre a política energética brasileira, ,com a presença de especialistas como o físico José Goldemberg


  Por Redação DC 31 de Julho de 2015 às 13:02

  | Da equipe de jornalistas do Diário do Comércio


Em 2015 o brasileiro deve pagar, em média, 50% a mais pela eletricidade que consumir. A falta de chuva, apontada pelo governo como responsável pela alta nos preços da energia, apenas trouxe à tona os principais vilões: a falta de investimentos e de planejamento no setor elétrico. 

O país teve uma prévia do que experimenta agora ainda em 2001, lembrado como o ano do apagão. O problema é que aprendemos pouco, quase nada com aquela experiência. Poucas melhorias no sistema foram feitas desde então. Assim, a matriz energética brasileira permaneceu totalmente dependente das hidrelétricas, quando fontes complementares, como a eólica e solar, poderiam ter avançado nesse período.

Quando veio a seca, as hidrelétricas não conseguiram sozinhas atender a demanda por energia. O plano “B” foi ativar as térmicas, cujo custo de geração é bem maior. Assim, a energia elétrica comercializada no Brasil se tornou uma das mais caras do mundo.   

Os efeitos do preço da energia na economia estão se mostrando devastadores. Esse custo tem ajudado a inflação a resistir às ações do Banco Central (BC), que mesmo aumentando a taxa básica de juros (Selic), não consegue conter a alta dos preços.  

Tem comprometido também a atividade das empresas. A energia elétrica chega a representar 40% dos custos de algumas indústrias, como as do setor de alumínio ou para as siderúrgicas. Muitas estão reduzindo a atividade e dispensando funcionários.  

A mesma desordem se encontra no setor de combustíveis, no qual intervenções excessivas do governo nos preços contribuíram para colocar as finanças da Petrobras em situação delicada e, por tabela, ainda quebrar o segmento de etanol. 

É possível encontrar saídas para estes problemas, e algumas delas serão debatidas no seminário “A Política Energética Brasileira”, realizado na próxima terça-feira, 4/08, pela Associação Comercial de São Paulo (ACSP).

O FÍSICO JOSÉ GOLDEMBERG É UM DOS NOMES EM DESTAQUE NO SEMINÁRIO DA ACSP

Participarão do encontro o físico José Goldemberg, professor no Instituto de Eletrotécnica e Energia (IEE) da Universidade de São Paulo (USP), que é uma das referências para tratar de temas ligados à questão energética. 

Palestras também serão realizadas por Adriano Pires, diretor do Centro Brasileiro de Infraestrutura (CBIE) e mestre em Planejamento Energético pela COPPE/UFRJ; João Carlos de Souza Meirelles, secretário de energia do Estado de São Paulo; Plínio Mário Nastari, presidente da Datagro; Paulo Cezar Tavares, presidente da SOLenergias e Élbia Melo, presidente da Abeeólica.

O seminário faz parte das ações do Conselho de Infraestrutura da ACSP, coordenado por Luiz Gonzaga Bertelli, especialista em energia e profundo conhecedor do Proálcool.  

A inscrição para o seminário pode ser feita no portal da ACSP. As palestras poderão ser acompanhadas ao vivo pela internet, no site da ACSP e do Diário do Comércio.   


SERVIÇO
Data: 04/08/2015
Horário: 08:30h
Endereço: Sede da ACSP, na Rua Boa Vista, 51 - 11º andar
Contato: secretariageral@acsp.com.br