Brasil

Comércio reabre na cidade de São Paulo


Tanto na rua quanto nos shoppings, as lojas deverão respeitar o limite de funcionamento e seguir regras de distanciamento social e higiene


  Por Redação DC 09 de Junho de 2020 às 17:21

  | Da equipe de jornalistas do Diário do Comércio


A Prefeitura de São Paulo vai liberar, a partir desta quarta-feira, 10/06, o funcionamento do comércio de rua na capital paulista. No caso dos shoppings centers, a liberação deverá ocorrer na quinta-feira, 11.  

Tanto na rua quanto nos shoppings, as lojas deverão respeitar o limite de funcionamento máximo de quatro horas por dia. No caso do comércio de rua, poderão funcionar das 11 horas às 15 horas. Os shoppings poderão abrir das 16 horas às 20 horas. A ideia é evitar sobrecargas no sistema de transporte público da cidade.

Os locais também terão de respeitar uma lotação máxima de 20% da capacidade e adotar ações como oferecer álcool em gel e orientar clientes para evitar aglomerações. As regras estão sendo negociadas desde a semana passada.

LEIA MAIS: Governo de São Paulo endurece quarentena no interior do estado

Em alguns shoppings da cidade, os gestores já instalaram câmeras com detecção de temperatura nos locais de entrada, para evitar o acesso de pessoas com sintomas da covid-19. Separadores de filas, com locais delimitados para garantir o distanciamento de um metro entre os clientes, também estão sendo instaladas.

"A principal regra é o horário de funcionamento", disse o prefeito Bruno Covas nesta terça-feira, 9/06, ao anunciar a flexibilização. "A expectativa agora é que a gente também consiga assinar com o setor de shoppings centers para que também possam voltar a funcionar a partir de quinta-feira e, com isso, já teremos assinado com cinco setores", comentou o prefeito.

A liberação especial também vale para imobiliárias. O setor da construção civil não parou na cidade, mas o comércio presencial de imóveis também estava vedado pelas regras da quarentena.

A cidade de São Paulo está há duas semanas na classificação laranja, a segunda mais grave, em uma escala de cinco classificações do Plano São Paulo, a iniciativa da gestão João Doria para coordenar a reabertura do Estado em meio à pandemia do coronavírus.

TERMO DE COMPROMISSO

Alfredo Cotait Neto, presidente da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), assinou, nesta terça-feira (09/06), termo de cooperação com a prefeitura para a reabertura do comércio na capital paulista.

“O gesto da prefeitura de fazer com que todos os envolvidos assinassem esse protocolo (termo de cooperação) é uma demonstração clara das responsabilidades envolvidas nessa retomada”, disse Cotait.

Para o dirigente, é importante agora avançar para a fase 3 (amarela). “Não podemos regredir, por isso devemos seguirmos nossa cartilha de protocolos de segurança. Amanhã [quarta-feira], a partir das 11h, quando o comércio voltar a funcionar, esperamos que todos cumpram o seu dever de cidadão”, disse o presidente da ACSP.

Para reforçar as medidas de segurança na reabertura do comércio, a associação comercial, em parceria com a cooperativa de crédito Sicredi, vai distribuir ao comerciantes 19 mil máscaras de tecido lavável e exemplares de cartilha com dicas para reabertura segura.

Serão entregues cinco máscaras e cinco exemplares da cartilha para cada CNPJ cadastrado no site da ACSP. Para o cadastramento e a confirmação do local de retirada do material, o empresário deve acessar o portal da ACSP.