Brasil

ACSP fornece máscaras e cartilha sobre reabertura das empresas


Medida faz parte do protocolo estabelecido junto à Prefeitura para a reabertura gradual do comércio em São Paulo. Varejistas deverão se cadastrar no site da associação para retirar o material


  Por Redação DC 08 de Junho de 2020 às 17:06

  | Da equipe de jornalistas do Diário do Comércio


A Associação Comercial de São Paulo (ACSP) e a cooperativa de crédito Sicredi irão fornecer aos empreendedores, a partir desta quarta-feira, 9/06, máscaras de tecido lavável e cartilhas com procedimentos para reabertura das empresas.  

O material, que inclui 19 mil máscaras, estará disponível nas 15 distritais da ACSP na capital paulista. Para obter o kit, os empresários deverão fazer a solicitação pelo site da associação comercial e confirmar o local onde ele será retirado. Para cada CNPJ serão entregues cinco máscaras e cinco cartilhas. 

Para solicitar o material, CLIQUE AQUI

A ação faz parte do protocolo apresentado à prefeitura para a reabertura gradual do comércio, que ficou fechado por cerca de 70 dias como uma das ações adotadas para combater o coronavírus.

“Firmamos o compromisso de apoiar o plano de reabertura do comércio. Além dos Equipamentos de Proteção Individual (EPI), estão sendo entregues cópias da cartilha que elaboramos com orientações aos comerciantes sobre higienização e limpeza das lojas para que possam voltar ao trabalho com segurança”, afirma Alfredo Cotait Neto, presidente da ACSP e da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp).

De acordo com Douglas Formaglio, vice-presidente da ACSP e coordenador das sedes distritais, a Associação Comercial está atendendo a todos os requisitos impostos pela Prefeitura de São Paulo sobre os protocolos de reabertura. “Os comerciantes e prestadores de serviço não veem a hora de reativar suas atividades” diz Formaglio.

Francisco Antonio Parisi, também vice-presidente da ACSP, alerta: “recomendamos a leitura atenta da cartilha e que sejam seguidas todas as orientações das autoridades com relação às normas de flexibilização.”