Brasil

ACSP faz homenagem virtual à Revolução Constitucionalista


Diretamente ligado à Associação Comercial, movimento de 1932, que se opôs ao regime ditatorial de Getúlio Vargas, será celebrado nesta quinta-feira (09/07), em reunião na plataforma Zoom


  Por Redação DC 08 de Julho de 2020 às 09:07

  | Da equipe de jornalistas do Diário do Comércio


O Comitê de Civismo e Cidadania (COCCID) da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) realiza nesta quinta-feira (09/07), às 17 horas, um encontro virtual reverenciando a Revolução Constitucionalista de 1932, movimento que se opôs ao regime ditatorial de Getúlio Vargas. A reunião será pela plataforma Zoom.

Além de promover uma justa homenagem aos cerca de 2 mil patriotas que lutaram naquela época por ideais tão nobres, neste ano a memória do confronto se faz ainda mais presente, devido à verdadeira guerra que travamos contra a pandemia do coronavírus, afirma o presidente da ACSP, Alfredo Cotait.

“A Revolução de 1932 está diretamente ligada à nossa Associação e foi um dos momentos de grande orgulho para o povo paulista. Por isso fazemos questão de, mais uma vez, celebrar esse evento histórico na própria data, que já tornou-se um referencial: 9 de Julho”, completa.

“Esse que foi o maior movimento armado da história brasileira. Visava, entre outros aspectos democráticos, uma nova e mais adequada constituição à nação. O nobre objetivo acabou ocorrendo dois anos depois, induzido pela revolução de 1932; passando assim, da inevitável derrota ao poderio militar vigente, à flagrante vitória no campo da democracia e dos direitos civis, pois o movimento levou à promulgação da Constituição de 1934”, afirma Samir Nakhle Khoury, vice-presidente da ACSP e coordenador-geral do COCCID.

O PAPEL DA ACSP 

Em 1932, sob a presidência de Carlos de Souza Nazareth, a ACSP participou das tratativas de conciliação junto ao governo federal, reivindicando respeito a São Paulo e à autonomia do estado – o que vinha sendo negado pelo então presidente Getúlio Vargas, que menosprezava a Constituição, centralizando ditatorialmente a administração política e econômica do País.

Quando ficou evidente a impossibilidade do acordo, a ACSP, acompanhando o sentimento geral do povo paulista, engajou-se na campanha pela defesa de uma constituinte imediata, culminando na deflagração da revolução.

Assim, a entidade assumiu funções relevantes: cuidou das finanças, da intendência e do abastecimento, colaborou no alistamento de voluntários e ajudou na histórica captação e distribuição de donativos.

Tutelou a campanha "Ouro para o bem de São Paulo", cujos recursos remanescentes foram doados à Santa Casa de Misericórdia. Vencido no campo militar, pela superioridade de recursos federais, São Paulo venceu no plano moral.

Por liderar as classes empresariais paulistas nesta revolução, Carlos de Souza Nazareth foi preso e exilado. Mas seus ideais venceram, quando em 1934 foi convocada a constituinte, pela qual ele e os paulistas tanto lutaram.

Em 2020, diante da pandemia, a ACSP convidou autoridades e pessoas de notório saber para compartilhar conhecimento e celebrar a histórica epopeia.

SERVIÇO

Celebração Virtual em Homenagem à Revolução Constitucionalista de 1932
Data e hora: 9/7/2020 (quinta-feira), às 17 horas
Onde: Zoom, pelo link - https://zoom.us/j/95689842801?pwd=dmVCZzRaWVpsY0pHWEc1NzVTSDJJdz09#success
ID: 956 8984 2801
Senha: 901257
Informações: (11) 3180-3337

FOTO: Acervo/DC





Publicidade





Publicidade





Publicidade