Acontece no Estado

Volume de exportação dispara na região de Ribeirão Preto


Valor aumentou dez vezes em 20 anos, de acordo com estudo do Núcleo de Inteligência da ACIRP que aponta a evolução das exportações de commodities, principalmente o açúcar


  Por Redação Facesp 20 de Dezembro de 2019 às 08:00

  | Das equipes de comunicação de entidades membros da Federação das Associações Comerciais do Estado de S.Paulo


Estudo evolutivo sobre comércio exterior, desenvolvido pelo Núcleo de inteligência da ACIRP - Associação Comercial e Industrial de Ribeirão Preto, aponta aumento no valor exportado das commodities na Região Administrativa de Ribeirão Preto (RA11), no interior do Estado de São Paulo.

De 1997 a 2019 o valor exportado na região, em dólares, cresceu 937%, ou seja, ficou dez vezes maior. A média anual de crescimento ficou em 14,5%. Além do aumento do volume de exportações, teve destaque a elevação de preço de boa parte dos produtos da região, sobretudo daqueles relacionados ao setor sucroenergético. Adicionalmente, não se considera nesse valor a inflação em dólares no período.

A participação dos produtos relacionados ao agronegócio no total exportado saiu de 63% em 1997 para 70% em 2019. Embora aparente ser pequeno, o ganho de participação do setor o consolidou como carro chefe das exportações na região, e veio com a inclusão de novos produtos. A soja e o amendoim, que no início da série não tinham qualquer valor exportado, passaram a representar 11,9% e 4,7% do total exportado em 2018, e garantiram lugares entre os produtos mais representativos na região.

Os dados indicam um crescimento dos produtos de agronegócio no total de exportações da Região, a exemplo do açúcar, que figura no topo da lista com maior valor exportado, tendo Sertãozinho como líder no setor. A soja fica em segundo no ranking de 2018, com até 200 milhões de dólares em exportações, principalmente para a China.

Outros produtos do agronegócio e agroindústria compõem o gráfico de maior valor de itens exportados em 2018 na Região de Ribeirão Preto, como o papel e cartão, amendoim, resíduos sólidos, álcool etílico não desnaturado, animais vivos da espécie bovina, estanho em formas brutas, óleo de soja e carne bovina.

O levantamento mostra o cenário favorável a partir do preço das commodities entre 2000, 2010 e 2018, “principalmente por conta de uma valorização dos produtos do agronegócio e aumento da demanda na China”, explica Gabriel Couto, economista da ACIRP. De acordo com o estudo, o volume de exportação foi de US$ 200 milhões à US$ 1 bilhão e 600 milhões em apenas 20 anos.

Uma baixa no volume de exportação para a Argentina também foi apontada nos últimos dez anos. Isso se deve pela crise que o país vem enfrentando desde 2000 e pela diminuição da demanda de produtos fora do setor do agronegócio, em comparação a seu crescimento, segundo o economista da ACIRP.

Em âmbito nacional, a China lidera no ranking de valor de importação de produtos do agronegócio brasileiro, com US$ 25,8 milhões. Os dados, de 2019, são da CNA (Confederação da Agricultura e Pecuária no Brasil).

Os destinos de exportação da Região Metropolitana de Ribeirão Preto em 2018 são: China, com volume de mais deUS$ 200 milhões de exportação, Estados Unidos, com mais de US$100 milhões em exportações, Nigéria, Índia e Bangladesh, acima de US$50 milhões e Turquia, Marrocos, Reino Unido, Países Baixos (Holanda) e Egito com até 50 milhões em exportação.

De 1997 a 2019 o valor exportado na região, em dólares, cresceu 937%, ou seja, ficou dez vezes maior. A média anual de crescimento ficou em 14,5%. Além do aumento do volume de exportações, teve destaque a elevação de preço de boa parte dos produtos da região, sobretudo daqueles relacionados ao setor sucroenergético. Adicionalmente, não se considera nesse valor a inflação em dólares no período.

A participação dos produtos relacionados ao agronegócio no total exportado saiu de 63% em 1997 para 70% em 2019. Embora aparente ser pequeno, o ganho de participação do setor o consolidou como carro chefe das exportações na região, e veio com a inclusão de novos produtos. A soja e o amendoim, que no início da série não tinham qualquer valor exportado, passaram a representar 11,9% e 4,7% do total exportado em 2018, e garantiram lugares entre os produtos mais representativos na região.

FOTO: Pixabay