Acontece no Estado

Vendas na região de Marília mostram elevação, diz Acim


Adriano Luiz Martins, vice presidente da Acim, anuncia melhoria nas vendas na região de Marília


  Por Redação Facesp 22 de Agosto de 2016 às 00:00

  | Das equipes de comunicação de entidades membros da Federação das Associações Comerciais do Estado de S.Paulo


O mês de junho começa a mostrar sinais de melhora no desempenho do comércio varejista, de acordo com o vice presidente da Associação Comercial e Industrial (ACI) de Marília, Adriano Luiz Martins, ao observar na comparação com igual mês de 2015, as vendas do varejo ampliado (inclui todos os setores) do Estado de São Paulo encolheram 10,5%, de acordo com dados do levantamento ACVarejo, da Associação Comercial de São Paulo (ACSP). “Em maio esse número chegou a 12,9%”, comemora a melhora no desempenho. “A leve melhora no volume de vendas em todas as regiões e setores considerados indica o início de uma modesta recuperação, mesmo sendo no campo negativo”, disse o dirigente mariliense.

No acumulado do ano, as vendas do varejo ampliado tiveram uma queda de 6,4%. Por outro lado, houve um leve crescimento de 2,2% no faturamento na mesma comparação. Em 12 meses até junho, as vendas caíram 6,5% e o faturamento subiu 1,8%. Nesse cenário, a Região Administrativa 15, de Marília, “Nossa região foi a única a registrar crescimento no volume de vendas, de 1,3%, na comparação anual, no varejo ampliado”, apontou Adriano Luiz Martins ao mostrar que o comércio mariliense está reagindo. “A associação comercial tem feito o que é possível para estimular o crescimento das vendas”, falou ao citar como exemplo a campanha promocional “Comércio Premiado”, com sorteio de prêmios, inclusive, um carro zero quilômetro.

Já frente a junho de 2015, observou-se queda dos volumes de ambos tipos de varejo em todas as Regiões Administrativas (RAs) do Estado. O pior resultado observado aconteceu na RA-04 – Metropolitana Oeste, com queda de 18,5% (restrito) e 16,8% (ampliado). Os números da crise do varejo paulista ainda são resultado da contração da renda, do crédito e do emprego, e a confiança do consumidor em níveis reduzidos. Dos nove setores analisados pela pesquisa no Estado, todos apresentaram contração no volume de vendas. Aqueles que são mais dependentes de crédito foram os mais prejudicados. São eles: lojas de móveis e decorações (-22,6%), concessionárias de veículos (-22%) e lojas de material de construção (-15,2%).

Para o presidente da ACI de Marília, Libânio Victor Nunes de Oliveira, é importante perceber a melhoria nas vendas na região. “Isto quer dizer que estamos no caminho certo, acreditando na campanha realizada que mostram sinais de que as vendas estão acontecendo”, disse. “Somente assim vamos sair deste clima ruim para a economia em geral”, opinou o dirigente mariliense ao afirmar que o Boletim AC Varejo é um levantamento elaborado mensalmente pelo Instituto de Economia Gastão Vidigal da ACSP, a partir de informações fornecidas pela Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo (Sefaz-SP).