Acontece no Estado

Placar atinge R$ 1,9 trilhão com antecedência, diz dirigente


Clarissa Zanoni Kera Arantes, vice presidente da ACE de Pompeia, comenta sobre o “impostômetro”


  Por Redação Facesp 14 de Dezembro de 2016 às 00:00

  | Das equipes de comunicação de entidades membros da Federação das Associações Comerciais do Estado de S.Paulo


A vice presidente da Associação Comercial e Empresarial (ACE) de Pompeia, Clarissa Zanoni Kera Arantes, considerou como “preocupante” o placar da quantidade de impostos pagos pelos brasileiros, no chamado “Impostômetro”, que atingiu marca de R$ 1,9 trilhão na quarta-feira, dia 14, com dois dias de antecedência no comparativo com a marca registrada no ano passado. “Isso quer dizer que o Governo está recebendo os impostos mais rápido e oferecendo um serviço público de péssima qualidade”, criticou a dirigente pompeense ao avaliar o registro do “Impostômetro”, criado pela Associação Comercial de São Paulo que apresenta o total de impostos, taxas e contribuições pago pela população brasileira desde o início do ano à União, aos estados e aos municípios.

Segundo a vice presidente da associação comercial de Pompeia no ano passado, a marca de R$ 1,9 trilhão foi registrada dois dias depois, ou seja, dia 16 de dezembro, o que aponta crescimento na arrecadação. “Deve ser por causa do imposto arrecadado sobre a repatriação recente de recursos que estavam no exterior”, justifica Clarissa Zanoni Kera Arantes, em não quer acreditar que esse aumento não se deve a um consumo maior ou a uma melhora da economia. “Não é o que estamos vivendo no dia a dia”, comparou ao considerar “delicado” o momento que o comércio vem vivendo de uma maneira em geral. “Não é em Pompeia, e sim em todo o Brasil”, argumentou.

De acordo com a vice presidente da diretoria da ACE de Pompeia nos últimos dois anos a economia caiu mais de 7%, o que resultaria em recuo na arrecadação. “Não foi o que aconteceu, já que estamos com uma arrecadação quase igual à de 2015”, disse ao tomar conhecimento sobre o trabalho realizado pelo “Impostômetro”, nos últimos anos. “Isso se explica pelo aumento da inflação: com preços mais altos, pagam-se também valores maiores em tributos, já que esses recaem sobre os preços finais”, avaliou ao fazer um alerta quanto as vendas no Natal. “Precisamos estar atentos e procurar efetuar uma venda com segurança, e sem desespero”, sugere ao considerar a inadimplência como algo sério e perigoso. “Muitas vezes na ânsia de querer vender, se faz um mal negócio”, opinou.

O Impostômetro e o painel informativo foram implantados em 2005 pela Associação Comercial de São Paulo para conscientizar o cidadão sobre a alta carga tributária e incentivá-lo a cobrar os governos por serviços públicos de qualidade. Está localizado na sede da entidade, na Rua Boa Vista, centro da capital paulista. Outros municípios se espelharam na iniciativa e instalaram painéis, como Florianópolis, Guarulhos, Manaus, Rio de Janeiro e Brasília. No portal www.impostometro.com.br é possível visualizar os valores arrecadados por período, estado, município e categoria (produção, circulação, renda, propriedade), de forma “on line”, ou seja, de imediato, ou até mesmo no portal: www.acepompeia.com.br.