Acontece no Estado

Nível de emprego industrial registra nova queda no Alto Tietê


Em setembro, indústrias fecharam 350 postos de trabalho; no ano, são 3.550 demissões aponta pesquisa do CIESP


  Por FACESP 21 de Outubro de 2015 às 00:00

  | Informações da Federação das Associações Comerciais do Estado de S.Paulo


Pelo oitavo mês consecutivo, o nível de emprego industrial no Alto Tietê registrou saldo negativo. Pesquisa divulgada nesta sexta-feira pelo Centro das Indústrias do Estado de São Paulo (CIESP) mostra que uma variação de -0,51% no mês de setembro, o que significa uma queda de aproximadamente 350 postos de trabalho.

No ano, o acumulado é de -5,13%, o que representa o fechamento de cerca de 3.550 postos de trabalho. Nos últimos 12 meses, o saldo é ainda pior: -6,06%, o que corresponde a aproximadamente 4.250 demissões.

Na área do CIESP Alto Tietê, que responde por oito municípios (Biritiba Mirim, Ferraz de Vasconcelos, Guararema, Itaquaquecetuba, Mogi das Cruzes, Poá, Suzano e Salesópolis), o índice do nível de emprego em setembro foi influenciado pelas variações negativas dos setores de Metalurgia (-4,97%); Máquinas, Aparelhos e Materiais Elétricos (-2,16%); Produtos Químicos (-0,96%) e Produtos de Minerais Não-Metálicos (-0,50%).

“Tivemos em setembro uma leve redução na queda do nível de emprego se comparado com os meses anteriores [em agosto ele foi de -1,1%], mas as indústrias continuam fechando postos de trabalho num reflexo direto do desaquecimento da economia nacional. O saldo dos últimos 12 meses é extremamente preocupante, pois estamos falando de mais de quatro mil trabalhadores que perderam o emprego”, comenta José Francisco Caseiro, diretor do CIESP Alto Tietê. 

“Mais grave do que isso é a falta de perspectivas de melhora, pelo contrário, só temos projeções de piora. As empresas maiores, que ainda tem uma reserva, estão fazendo acordos para layoff numa tentativa de manter os empregados, porém, para as menores não há muitas opções. A tendência é de mais demissões até o final do ano”, acrescenta o dirigente.

CENÁRIO

Quando comparados os meses de setembro dos anos de 2014 e 2015, o cenário atual é pior, pois no ano passado o resultado foi praticamente estável em 0,07%.

Se verificado o nível do emprego industrial nas 35 diretorias regionais do Ciesp, apenas duas (Matão e Presidente Prudente) tiveram resultado positivo e três (Jundiaí, Cotia e Guarulhos) ficaram estáveis. As outras 30 apresentaram saldo negativo, incluindo o Alto Tietê, que ficou na 17a colocação no ranking geral.

Ainda em setembro, o nível do emprego industrial na Grande São Paulo foi de -0,50% e, no Estado, de -0,78%. No ano, o saldo no Estado é de -5,44% e, nos últimos 12 meses, de -8,77%.

Com os resultados de setembro, a indústria paulista chegou ao saldo de 138 mil demissões no ano, superando o patamar do ano de 2014, quando foram encerrados 128 mil postos de trabalho.

“Ao completarmos esse ano, podemos dizer que será o pior ano da história, que vem desde 2006”, disse Paulo Francini, diretor do Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos (Depecon), que elabora a Pesquisa de Nível de Emprego do Estado de São Paulo, divulgada pela Fiesp e pelo Ciesp.

Veja abaixo os gráficos oficiais: