Acontece no Estado

Jovens passam por rodada de entrevistas na Acipi


Atividade tem objetivo de revelar talentos às empresas, que participaram de projeto social da entidade


  Por Redação Facesp 01 de Novembro de 2016 às 00:00

  | Das equipes de comunicação de entidades membros da Federação das Associações Comerciais do Estado de S.Paulo


Na tarde de hoje (26), alunos da rede pública da cidade passaram por uma rodada de entrevistas com empresas, que participaram do projeto: “Formação para o trabalho” da Acipi (Associação Comercial e Industrial de Piracicaba). Com início em agosto e término previsto para esta sexta-feira (28), a iniciativa da entidade contou com a parceria da Unimep (Universidade Metodista de Piracicaba), Diretoria Regional de Ensino e da Prefeitura, por meio da Semtre (Secretaria Municipal do Trabalho e Renda). O objetivo da ação foi preparar jovens para enfrentamento do mercado de trabalho.

“Ao chegarmos a esta etapa do projeto podemos vislumbrar o cumprimento de seu  propósito inicial. Isso porque, neste momento, os alunos têm a chance de exercitarem o conhecimento que adquiriram, e as empresas parceiras têm a oportunidade de poder conhecer e absorver talentos”, explica o superintendente da Acipi, Sergio Fortuoso.

‘FORMAÇÃO’

O projeto: “Formação para o trabalho”, no período de três meses, capacitou 32 jovens alunos do Ensino Médio, na faixa etária dos 16 anos, selecionados previamente pela Diretoria Regional de Ensino.

Em toda a sua duração, o projeto preparou os participantes por meio de aulas teóricas e atividades práticas, que envolveram, por exemplo, visitas às empresas participantes, dinâmicas de grupo para desenvoltura e laboratório de elaboração de currículo. A rodada de entrevistas encerra a programação de atividades do projeto, que recebem seus certificados de conclusão nesta sexta-feira (28).

RODADA

Distribuídos em mesas redondas, os 32 alunos foram entrevistados de maneira coletiva pelos representantes das nove empresas, que participaram desta etapa do projeto. Enquanto se mantinham em grupos nas mesas, os alunos eram atendidos pelos profissionais, que se revezavam em blocos de entrevistas de 15 minutos.

Segundo Fortuoso, a atividade foi idealizada para servir como uma ponte entre o jovem que deseja entrar no mercado de trabalho e a empresa que precisa de mão de obra qualificada para suas atividades. Por esse motivo, alunos e empresas são colocados “tête-à-tête” para diálogo e exposição de habilidades. “Se escutarmos o batimento cardíaco deles, veremos que estará acelerado”, brincou o superintendente, na oportunidade.

Proprietário da PoliBrasil, o empresário Luiz Andrello Filho, elogiou a iniciativa: “é excelente. Já temos o costume de trabalhar com estagiários, via agência de colocação profissional. Mas, nós é que temos que fazer o treinamento desde o início. A maioria deles não têm a menor ideia do que é uma empresa, do que é o mercado, do que é concorrente, mesmo do trabalho em equipe propriamente. Por isso é tão importante o modelo dessa qualificação. Ela abre o universo para eles. E isso é importante para nós, pois se nós pegarmos um estagiário, um futuro profissional, que já tenha uma base, ele já entra na empresa ‘jogando’”.