Acontece no Estado

IMPOSTÔMETRO - Placar de pagamento supera R$ 1,8 trilhão


Adriano Luiz Martins, vice presidente da Acim, comenta valores do Impostômetro


  Por Redação Facesp 30 de Novembro de 2016 às 00:00

  | Das equipes de comunicação de entidades membros da Federação das Associações Comerciais do Estado de S.Paulo


O vice presidente da Associação Comercial e Industrial (ACI) de Marília, Adriano Luiz Martins, considerou preocupante a marca atingida pelo “Impostômetro”,, criado pela Associação Comercial de São Paulo, que atingiu na última segunda-feira, dia 28, a quantia de R$ 1,8 trilhão, arrecadado pelo Governo através de impostos obrigatórios. “A classe produtiva do Brasil continua fazendo a lição de casa, porém, o Governo ainda está devendo melhores serviços, na contra partida”, disse o dirigente mariliense ao tomar conhecimento de que o montante representa o total de impostos, taxas e contribuições que o brasileiro pagou desde o início do ano. “Em 2015, esse mesmo montante foi arrecado dois dias depois, em 30 de novembro”, lembrou o vice presidente da ACI de Marília.

De acordo com Adriano Luiz Martins a marca mais cedo em 2016 indica aumento na arrecadação. “Isso não quer dizer melhora na economia, infelizmente”, lamentou o dirigente. “O governo até teve uma arrecadação maior no último mês por conta da repatriação, mas não existe, ainda, melhora do consumo”, afirmou o vice presidente da associação comercial mariliense que faz um alerta para a população em geral. “Aumento de arrecadação deveria ter melhora no serviço público”, comparou. 

Na opinião do presidente da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp), Alencar Burti, a atividade econômica, embora não esteja piorando, ainda sofre os efeitos recessivos. “É preciso que haja uma revisão neste conceito, pois, não faz sentido haver aumento de receita e baixa qualidade na prestação de serviço”, reafirmou Alencar Burti, que também acumula o cargo de presidente da Associação Comercial de São Paulo que criou o impostômetro para mensurar a quantidade de impostos, taxas e contribuições pagas pelo brasileiro de alguma forma.

No portal www.impostometro.com.br é possível visualizar os valores arrecadados por período, estado, município e categoria (produção, circulação, renda, propriedade), de forma “on line”, ou seja, de imediato. “Mensalmente fazemos esse comparativo para mostrar que o empresariado mantém, de alguma forma, a parte que lhe cabe”, completou Adriano Luiz Martins que esteve recentemente participando do Congresso Estadual da Facesp, em Aguas de Lindóia, e as previsões apresentadas são preocupantes. “Saída para a crise existe, porém, exigirá mais esforço de todos”, afirmou ao ouvir alguns especialistas, empresários, dirigentes e economistas. 

O Impostômetro e o painel informativo foram implantados em 2005 pela Associação Comercial de São Paulo para conscientizar o cidadão sobre a alta carga tributária e incentivá-lo a cobrar os governos por serviços públicos de qualidade. Está localizado na sede da entidade, na Rua Boa Vista, centro da capital paulista. Outros municípios se espelharam na iniciativa e instalaram painéis, como Florianópolis, Guarulhos, Manaus, Rio de Janeiro e Brasília.