Acontece no Estado

Facesp e governo paulista discutem reabertura do comércio


Gestão Doria terá canal direto com a Federação das Associações Comerciais para ajudar na abertura gradual das empresas


  Por Cleber Lazo  23 de Abril de 2020 às 17:51

  | Repórter Facesp cleber.lazo@facesp.com.br


O governo do Estado de São Paulo atendeu ao pedido da Federação das Associações Comerciais do Estado de São Paulo (Facesp) e fará a reabertura regionalizada das atividades econômicas.

A Facesp ainda insiste para que o governador João Doria antecipe o decreto de quarentena e inicie a reabertura do comércio em 1° de maio, Dia do Trabalho.

A regionalização foi anunciada pelo governador na tarde desta quarta-feira, 22/04, durante coletiva de Imprensa, no Palácio dos Bandeirantes.

Na ocasião, Doria apresentou o Plano São Paulo, que prevê a retomada gradual das atividades a partir de 11 de maio. No entanto, a Facesp argumenta que a antecipação da data é fundamental, uma vez que a paralisação significa a não circulação de R$ 1 bilhão por dia, o que acarreta enorme prejuízo para a economia e põe em risco a maior parte dos empregos e da renda dos trabalhadores.

“Queremos comemorar o dia do trabalho trabalhando”, afirmou o presidente da Facesp, Alfredo Cotait Neto.

Durante reunião realizada com a secretária estadual de Desenvolvimento Econômico, Patricia Ellen, e com o secretário estadual de Habitação, Flavio Amary, minutos antes da coletiva, Cotait e os vice-presidentes da Facesp defenderam a implementação de onze medidas.

Entre elas: reabertura gradativa e regionalizada de todas as atividades econômicas a partir de 1º de maio; criação de grupos regionalizados de análise e acompanhamento da retomada; criação de um canal direto de comunicação entre a Facesp e governo estadual; acesso dos empreendedores às linhas de crédito de forma rápida e desburocratizada; diminuição das taxas de juros das linhas de crédito; postergação de impostos estaduais; e a utilização das Associações Comerciais na operacionalização do acesso ao crédito.

Parte das medidas propostas foi atendida, como a criação de um canal direto de comunicação. O secretário Amary passa a ser o interlocutor das Associações Comerciais, por meio da Facesp, com o governo estadual.

A partir deste canal direto, a federação atuará ao lado do estado na elaboração dos protocolos situacionais, no processo de abertura em fases, na flexibilização gradual dos setores, e na segmentação dos municípios.

De acordo com as fases definidas pelo governo do estado, a retomada será iniciada por setores de menor risco de contaminação e de maior vulnerabilidade econômica.

É PRECISO MAIS

O presidente da Facesp ressaltou que os empreendedores aguardam do Estado a postergação de impostos estaduais, principalmente o ICMS.

“Os empresários desejam pagar seus tributos, mas não têm condições, no momento, por não terem recursos. Não se pode aceitar que o Estado queira, com uma mão, proibir o funcionamento e, com a outra, cobrar o imposto, como se fossem dois entes distintos. Isto coloca em risco milhares de empresas que se tornarão inadimplentes e perderão o acesso ao crédito”, disse Cotait.

 

IMAGEM: André de Almeida/DC