Acontece no Estado

Especialista da região esclarece dúvidas sobre declaração do Imposto de Renda


No Vale do Paraíba, a expectativa é que 437,9 mil declarações sejam enviadas, com aumento de 1,8% em relação ao ano passado


  Por FACESP 08 de Abril de 2015 às 00:00

  | Informações da Federação das Associações Comerciais do Estado de S.Paulo


Faltando um mês para terminar o prazo para declaração do Imposto de Renda 2015, em 30 de abril, a Receita Federal recebeu até agora menos de 20% do esperado para este ano. No Vale do Paraíba, a expectativa é que 437,9 mil declarações sejam enviadas, com aumento de 1,8% em relação ao ano passado.

Para quem tem dúvidas na hora de preencher a declaração, ou está fazendo isso pela primeira vez, Eliane Maia, diretora da Tec Con Assessoria Contábil e delegada regional do CRC-SP (Conselho Regional de Contabilidade), selecionou algumas informações para esclarecer as perguntas mais comuns dos contribuintes. Segundo ela, devem declarar o IR neste ano as pessoas físicas que receberam rendimentos tributáveis superiores a R$ 26.816,55 em 2014 e os contribuintes que receberam rendimentos isentos, não-tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte, cuja soma tenha sido superior a R$ 40 mil no ano passado, entre outros casos menos comuns.

“Outra dúvida muito corriqueira é sobre a poupança. É importante as pessoas saberem que a partir de R$ 40 é obrigatório declarar a poupança no item Rendimentos Isentos e Não Tributáveis. Já o valor total depositado na poupança deve ser lançado na ficha "Bens e Direitos", explica a especialista. Em caso de pensão alimentícia, ela dá uma dica importante. “Para quem tem a guarda e administra o valor recebido por pensão, a dica é fazer uma declaração exclusiva com o CPF do filho e nela declarar o recebimento da pensão. É importante declarar somente o que foi estabelecido em juízo como valor da pensão mensal e não incluir gastos extras”, afirma.

Já para as despesas com educação, o limite individual para cada membro da família é de R$ 3.375,83 por ano. Entre as despesas permitidas estão: creche, educação infantil, ensino fundamental, ensino médio, curso superior, cursos de especialização e profissionalizantes. Segundo Eliane Maia, as despesas médicas podem ser dedutíveis integralmente, desde que relacionadas a tratamento próprio e dos dependentes.