Acontece no Estado

Empresas consultam mais dados do SCPC da Acim


José Augusto Gomes, superintendente da Acim, analisa as consultas entre empresas sobre CNPJ


  Por Redação Facesp 04 de Agosto de 2016 às 00:00

  | Das equipes de comunicação de entidades membros da Federação das Associações Comerciais do Estado de S.Paulo


Estatísticas do Serviço Central de Proteção ao Crédito (SCPC) da Associação Comercial e Industrial (ACI) de Marília, mostram que as empresas estão mais cautelosas ao promoverem negócios do que os lojistas. Os números mostram que houve um crescimento na ordem de 9,67% no comparativo ao igual período do ano passado, num crescente na ordem de 23,63% ao ano, dos sete meses comparados. “Isto quer dizer que as empresas estão buscando informações cadastrais das empresas com quem negociam, antes de fechar um negócio”, comentou o superintendente da associação comercial mariliense, José Augusto Gomes ao verificar os números apresentados mensalmente pelo SCPC da Acim. Foram realizadas 2.994 este mês diante das 2.730 consultas realizadas em agosto do ano passado.

No comparativo anual foram 22.849 consultas sobre CNPJ diante dos 18.482 consultas realizadas nos sete meses do ano passado, com uma elevação de 23,63% no comparativo ao período. “Somente em janeiro é que foram realizadas menos consultas do que no ano de 2015”, disse o dirigente da associação comercial ao verificar os 0,29% negativos assinalados este ano, enquanto que nos demais meses do ano foram todos positivos. “Só no mês de junho foram 60,55% a mais do que junho do ano passado”, destacou José Augusto Gomes que considera importante este tipo de consulta de empresa para empresa, no sentido de que os riscos de inadimplência são menores. “Garantia não existe, mas que as chances são menores com a inadimplência, são”, ressaltou o dirigente da associação comercial mariliense que analisa os dados mensalmente.

De acordo com o presidente da Associação Comercial e Industrial de Marília, Libânio Victor Nunes de Oliveira este comportamento é natural de crescimento, em razão das dificuldades existentes na economia. “O empresário não pode se dar o luxo de se equivocar numa venda”, disse preocupado o presidente da Acim. “Não dá mais para correr riscos, e por isso a informação é a principal arma para se evitar uma venda errada ou um possível golpe”, comentou ao sugerir ao empresariado que consulta mais, pois, as informações conseguidas no SCPC da Acim são nacionalizadas, completas e seguras. “O empresário só ganha ao consultar, pois, na dúvida ele passa a ter certeza de fechar um negócio ou não”, argumentou o dirigente que tem o hábito de consultar empresas e pessoas sempre quando vai vender, nas empresas que administra.

Atualmente existem alguns tipos de consultas oferecidas pelo SCPC da Acim como: pessoas físicas, pessoas jurídicas e emissão de cheques. As consultas entre pessoas físicas e emissão de cheques, sofrem com o crescimento das vendas a vista ou através dos cartões de benefício, crédito e débito. “Esse tipo de venda não passa por aprovação de crédito”, explicou José Augusto Gomes, ao comparar com as negociações entre empresas. “De uma empresa para outra ou é através de cheques, dinheiro ou cobrança bancária”, explicou ao admitir que as vendas através dos cheques tem caído muito.