Acontece no Estado

Confiança do consumidor cresce para o Natal, diz Acim


José Augusto Gomes, superintendente da Acim, animado com os índices sobre o consumidor


  Por Redação Facesp 06 de Dezembro de 2016 às 00:00

  | Das equipes de comunicação de entidades membros da Federação das Associações Comerciais do Estado de S.Paulo


Finalizado os preparativos para o Natal deste ano, uma informação positiva animou a diretoria da Associação Comercial e Industrial (ACI) de Marília quanto a expectativa das vendas no comércio em geral. O aumento na confiança do consumidor é motivo de destaque por parte do superintendente da associação comercial mariliense, José Augusto Gomes, que considerou oportuna a informação de que o Índice de Confiança do Consumidor (ICC) se recuperou da leve queda sofrida em outubro e registrou avanço de 4,1% ao passar de 106 pontos em outubro para 110,3 pontos em novembro. “Essa foi a maior pontuação registrada desde fevereiro de 2015”, festejou o dirigente da Acim, ao fazer uma relação a novembro do ano anterior o ICC apresentou crescimento de 28,9%.

De acordo com José Augusto Gomes o ICC é apurado mensalmente pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (Fecomercio/SP). Composto pelo Índice das Condições Econômicas Atuais (ICEA) e pelo Índice de Expectativas do Consumidor (IEC), o indicador varia de zero a 200 pontos, sendo que abaixo de 100 pontos significa pessimismo e acima de 100, otimismo. “Isso deve ser relevante para os planos para as vendas do comércio neste Natal”, sugere o dirigente mariliense que admite preocupação, porém, com esperança de melhoras. “No ano passado vivemos um ambiente sem esperanças”, recordou. “Agora estamos preocupados, mas temos maiores chances de melhora na economia em geral”, acredita.

O maior responsável pelo bom desempenho registrado em novembro foi o Índice de Expectativas do Consumidor (IEC), que passou de 137,2 pontos em outubro para 143,8 pontos no presente mês, alta de 4,8%. No comparativo com novembro de 2015, o IEC registrou alta de 35,1%. Essa é a maior pontuação para o indicador desde maio de 2013. Houve simetria na percepção dos consumidores com renda acima e abaixo de dez salários mínimos. O primeiro grupo registrou alta de 5,5% ao passar de 154,5 para 162,9 pontos, já a segunda faixa de renda apresentou crescimento de 4,3%, subindo de 129,1 para 134,7 pontos. No comparativo anual, os dois grupos exibiram alta de 51,3% e 27,4%, respectivamente.

O Índice das Condições Econômicas Atuais (ICEA), outro componente do ICC, também apresentou alta no mês de 1,7%, ao passar de 59,1 pontos em outubro para 60,1 pontos em novembro. Em relação a novembro do ano passado, o subíndice registrou elevação de 10,7% - segunda alta consecutiva nessa base de comparação, fato que não acontecia desde janeiro de 2013 (46 meses). Diferentemente, do que foi visto no IEC, houve assimetria entre as faixas de renda. Enquanto os consumidores com rendimento inferior a dez salários mínimos se mostraram um pouco mais confiantes, passando dos 53,8 em outubro para 60,3 pontos em novembro (alta de 12,3%), os consumidores com renda superior a este patamar demonstraram estar menos confiantes, assinalando queda de 15,5% no mês, passando de 70,5 em outubro para 59,6 pontos em novembro. Em relação ao mesmo período do ano passado os dois grupos registraram aumento de 14,4% e 3,5%, respectivamente. “Mesmo que ainda não haja uma melhora consistente nos itens renda e emprego, que são determinantes para o pleno consumo, este aumento, mesmo que sutil, da confiança do consumidor baseada, principalmente, serve de motivação”, falou José Augusto Gomes.