Acontece no Estado

Comissão da ACMC e comerciantes visitam obras do novo complexo viário


Empresários esclareceram dúvidas sobre execução do projeto e, agora, aguardam definições sobre a mobilidade e urbanização da área central


  Por Redação Facesp 10 de Junho de 2016 às 00:00

  | Das equipes de comunicação de entidades membros da Federação das Associações Comerciais do Estado de S.Paulo


Um grupo de 15 comerciantes e profissionais liberais que atuam na região da Praça Sacadura Cabral visitou, na tarde da última quinta-feira (9), as obras de construção do Complexo Viário Jornalista Tirreno Da San Biagio, na região da Praça Sacadura Cabral. Foi a primeira vez que conferiram, in loco, o andamento dos trabalhos que, desde o ano passado, alteraram a rotina nesta área da Cidade. Na visita convocada pela comissão criada pela Associação Comercial de Mogi das Cruzes (ACMC) para acompanhar o projeto, eles tiveram a oportunidade de esclarecer as principais dúvidas em relação às obras, que são realizadas em várias frentes. No encontro, eles tiveram a garantia de que o túnel Centro/Bairro será entregue até o final deste ano, o que possibilitará o retorno de parte do trânsito de veículos na região.

“Do projeto todo, temos 44% de obras executadas. Do túnel 2, que fará a ligação Centro/Bairro, as obras estão em 65% e serão concluídas dentro deste ano. O presente para os comerciantes dessa região será a liberação dos acessos de pedestres e veículos para as festas de final de ano”, assegurou o secretário municipal de Planejamento e Urbanismo, João Francisco Chavedar.

Dentro de um mês, Prefeitura e Associação Comercial vão convocar uma reunião com comerciantes e moradores para discutir a proposta urbanística da região, a partir da liberação da Praça Sacadura Cabral. Com o túnel Centro/Bairro pronto, os veículos voltarão a transitar pela Rua Dr. Ricardo Vilela e terão duas opções: acessar a passagem subterrânea para seguir em direção ao Mogilar ou, então, entrar à esquerda na Rua Princesa Isabel de Bragança. Os pedestres também poderão transitar livremente pelo trecho.

“A visita foi muito positiva porque todos puderam verificar que a obra está sendo executada num ritmo muito bom, sem imprevistos e dentro do prazo programado. Mas o que todo mundo quer saber é como ficará a mobilidade nessa região. Como serão os acessos para os veículos e para os pedestres? Alguma coisa já foi adiantada, como a informação de que os pedestres poderão continuar a atravessar a linha férrea normalmente, mas ainda há muitas dúvidas sobre como ficará o trânsito na parte debaixo da linha, já que a Rua Cabo Diogo permanecerá interditada pelo menos por um ano e meio para construção do outro túnel”, apontam os diretores da ACMC, Roberto Assi e Mohamad Issa, que integram a Comissão da Sacadura Cabral.

“Vamos aguardar essa próxima reunião para conhecer qual será a proposta urbanística e opinar. Será fundamental que quem vive e trabalha nessa região, e está se sacrificando por causa da obra, tenha a oportunidade de apresentar sugestões sobre o que será necessário para a retomada do movimento”, acrescentam os diretores.

Durante a visita, os comerciantes puderam conferir de perto as obras do túnel Centro/Bairro nas duas pontas: na Rua Ricardo Vilela e na Hamilton Silva e Costa. Em ambos locais já é possível visualizar como ficará o túnel, que terá uma pista de entrada e duas na saída para o Mogilar. As obras estão concentradas agora na perfuração sob os trilhos da linha férrea, um trabalho minucioso, que deve se estender até o final deste mês, segundo o secretário Chavedar. 

O grupo, que fez muitas fotos e destacou o fato de participarem da história da cidade, também acompanhou os trabalhos do túnel Bairro/Centro, concentrados principalmente na Avenida Governador Adhemar de Barros, próximo ao Terminal Central. Esse túnel tem previsão de entrega em 2017.

“Foi uma visita esclarecedora, a qual permitiu ter ciência sobre o andamento das obras, que supera as expectativas”, avalia o advogado Marcelo Rambaldi.

“Deu para ver que a obra deverá mesmo ser entregue dentro do previsto, o que é muito bom. Aliás, para nós, o quanto antes entregar, melhor. E esperamos uma valorização do trecho para compensar os prejuízos atuais. Na minha lotérica, tivemos uma redução de 40% no movimento por causa da obra. Em benefício da cidade, todos estão colaborando e esperam que, depois de pronta a obra, a circulação de pessoas na região melhore bastante”, comenta o empresário Valério Ribeiro Brito.