Acontece no Estado

Acipi é alvo de vandalismo


Manifestantes protestam contra presidente Michel Temer e invadem sede da entidade


  Por Redação Facesp 08 de Setembro de 2016 às 00:00

  | Das equipes de comunicação de entidades membros da Federação das Associações Comerciais do Estado de S.Paulo


A Acipi (Associação Comercial e Industrial de Piracicaba) foi alvo de vandalismo no último sábado, dia 3/9, durante protesto contra o presidente Michel Temer. Acompanhados de veículo de som, que parou em frente à sede da entidade – rua do Rosário, 700, Centro - , os manifestantes invadiram o prédio enquanto havia atendimento no local. "Alunos da Escola de Negócios estavam em aula e um funcionário que zela pela segurança do prédio estavam presentes quando os manifestantes invadiram nossa sede”, conta o presidente da Acipi, Paulo Roberto Checoli.

A invasão resultou em portões entortados, paredes e chão pichados com a frase “Fora Temer” e bombas nas áreas externas e internas do prédio.

De acordo com Checoli, a Acipi, “é a favor do direito do cidadão se manifestar pacificamente, desde que não haja invasão de propriedade privada”. “Não podemos admitir um ato desse, inclusive rasgaram a bandeira do Brasil que ficava fixada na entrada da entidade. Estamos tomando as providências legais cabíveis e não vamos tolerar vandalismo. Os envolvidos serão punidos de acordo com a justiça”, relata.

No sábado, dois suspeitos foram detidos e levados ao plantão da Polícia Civil e liberados após prestarem seus depoimentos. Imagens do circuito interno de segurança foram disponibilizadas para investigações. O superintendente da Acipi, Sergio Antonio Fortuoso, que acompanhou o caso, diz que as providências já estão sendo tomadas. “Estamos disponibilizando imagens gravadas por nossas câmeras de segurança para a imprensa e redes sociais para que possamos ganhar força e identificar os vândalos. Outras imagens estão sob o poder da polícia e mantidas em sigilo para não atrapalhar as investigações. Confiamos nos trabalhos das polícias, do Ministério Público e do Poder Judiciário”, destaca Fortuoso.