Por Marcel Solimeo

  | Economista-chefe da Associação Comercial de São Paulo