São Paulo, 26 de Abril de 2017

/ Vida e Estilo

Quer uma vida longeva? Então, seja feliz
Imprimir

Estudo de pesquisadores britânicos comprova a associação real entre a mortalidade e os níveis de bem-estar

O segredo para uma vida longa e sã é aprender a curti-la, o que uma em cada quatro pessoas considera não estar fazendo.

É o que aponta um estudo que colocou em confronto a satisfação com a própria vida com o risco de morte, conduzido por pesquisadores da Universidade de Londres, no Reino Unido.

A pesquisa britânica, publicada na revista "BMJ", foi feita com 9.365 adultos ingleses com idade média de 63 anos.

Os participantes responderam a questionários, com intervalos de dois anos, entre 2002 e 2006 e avaliaram o andamento de seus sentimentos quanto à própria vida.

"Eu gosto das coisas que faço", "Eu gosto de estar na companhia de outras pessoas", "Meu passado me traz felicidade" e "Me sinto cheio de energia esses dias" são algumas das opções apresentadas pelo estudo.

Respostas negativas a essas afirmações foram reportadas por 2.264 participantes, cerca de 24%. Ou seja, praticamente uma em cada quatro pessoas não está satisfeita com seu destino.

Durante o período de acompanhamento, que durou até o fim de 2013, 1.310 pesquisados morreram.

A taxa de mortalidade mais alta foi constatada entre aqueles que se disseram menos felizes e satisfeitos.

As mortes diminuíram progressivamente conforme aumentavam as afirmações positivas sobre a vida.

As mulheres são mais propensas a se sentir felizes, assim como casados, pessoas empregadas e com formação intelectual elevada, os mais ricos e os mais jovens.

"Esses resultados documentam uma associação real entre a mortalidade e os níveis de bem-estar", concluíram os pesquisadores.

IMAGEM: Thinkstock



Entre os que ainda estão cursando o ensino médio, 60% dizem que sabem qual área pretendem atuar, segundo pesquisa

comentários

Pode ter contribuído para o resultado a maior procura do consumidor por carros usados, uma vez que a crise freou a venda dos novos

comentários

Entre 2006 e 2015, o número de milionários no Brasil, com fortunas acima de US$ 1 mi, passou de 105 mil para 180 mil. Entre 2015 e 2016, o país perdeu mais de 25 mil deles, de acordo com a consultoria Knight Frank Research

comentários