São Paulo, 28 de Abril de 2017

/ Vida e Estilo

Papa celebra Paixão de Cristo e recorda mortes em guerras
Imprimir

Nesta noite, o papa Francisco preside ainda a Via Sacra no Coliseu, em Roma

O papa Francisco celebrou nesta sexta-feira (14/04) a missa da Paixão de Cristo na Basílica de São Pedro, no Vaticano, como parte dos rituais de Páscoa.

Diante do altar, o líder da Igreja Católica se ajoelhou e permaneceu em silêncio se confessando.

O pregador oficial da Casa Pontifícia, padre Raniero Cantalamessa, celebrou a homilia da missa e fez uma dura crítica às mortes ocorridas em conflitos nas últimas semanas.

"A história da Paixão de Cristo é a narração de uma morte violenta. E notícias de mortes violentas não têm faltado nos noticiários", comentou.

"Ouvimos recentemente a notícia da morte de civis e crianças sírias com armas químicas, assim como a morte de 38 cristãos coptas no Egito na celebração de Domingo de Ramos. Estas notícias vêm tão rapidamente e constantemente que nos fazem esquecer do que ocorreu no dia anterior", disse o padre.

"Após 2.000 anos, o mundo ainda lembra, como se fosse ontem, a morte de Cristo? E que esta morte mudou para sempre a concepção da morte, deu um novo sentido à morte do ser humano", argumentou Cantalamessa.

O pregador usou citações de filósofos, como Nietzsche e Sartre, e até referências ao pintor Salvador Dalí, para compor sua homilia de Páscoa. Nesta noite, o papa Francisco preside ainda a Via Sacra no Coliseu, em Roma.

 



Ressurreição de Jesus Cristo é comemorada neste domingo (16/04)

comentários

Ele também abençoou os esforços de quem, especialmente na América Latina, se compromete a favor do bem comum das sociedades

comentários

O atentado terrorista teve como cenário o réveillon na boate Reina, no bairro de Besiktas, e deixou 69 feridos, dos quais quatro em estado grave

comentários