São Paulo, 27 de Abril de 2017

/ Vida e Estilo

Crescimento dos vídeos online torna incerto o futuro da televisão
Imprimir

Nos Estados Unidos se discute um fenômeno chamado cord cutter (cortar o cabo), que dá nome a um tipo de usuário que deixa de pagar pela TV por assinatura

Hoje, o mundo todo assiste a mais de 1 bilhão de horas de vídeo todos os dias no YouTube, segundo o Google. É como se todos os 7,5 bilhões de habitantes da Terra tivessem uma cota diária de oito minutos de vídeos no serviço

Se a estatística considerar só os conectados - cerca de 3,4 bilhões de pessoas, segundo a União Internacional de Telecomunicações -, essa taxa salta para 17 minutos de vídeo por dia.

O serviço de streaming Netflix exibe séries e filmes por 116 milhões de horas todos os dias, enquanto a ferramenta de vídeo ao vivo do Facebook registra o consumo de mais 100 milhões de horas de vídeo diárias. 

As métricas das três empresas mostram o potencial da internet para o consumo de vídeos e como isso pode mudar profundamente nossa relação com a TV na próxima década.

Os números do vídeo online são tão impressionantes, que levaram Reed Hastings, presidente executivo da Netflix, a fazer uma previsão ousada. 

"Em dez ou 20 anos, 90% do que as pessoas vão assistir estará online", disse ele na feira de tecnologia Mobile World Congress, realizada no fim de fevereiro em Barcelona, na Espanha.

CONECTADO

Nos Estados Unidos, há anos se discute um fenômeno chamado "cord cutter" (cortar o cabo, em tradução literal), que dá nome a um tipo de usuário que deixa de pagar pela TV por assinatura para assistir a vídeos apenas pela internet, seja em sites gratuitos, como o YouTube, ou serviços de streaming, como Netflix. 

Controverso, o conceito pode ganhar força com um novo tipo de serviço, oferecido por grupos como a operadora AT&T (DirecTV Now) e o próprio YouTube (YouTube TV).

Por uma assinatura mensal em torno de US$ 40, usuários podem assistir a um pacote de canais, como acontece hoje na TV paga, em transmissões em tempo real ou escolhendo vídeos sob demanda. 

A diferença? Tudo acontece pela internet, sem necessidade de cabos, antenas, satélites ou de visitas de instalação. "O YouTube TV é a TV reimaginada para a geração YouTube", disse Christian Oestlien, diretor de produto do YouTube, ao anunciar a plataforma, em fevereiro. Os dois serviços estão disponíveis só nos EUA.

Por enquanto, porém, parece precipitado afirmar que todos estão "cortando" a TV paga. Hoje, a TV ainda é importante no entretenimento do País: segundo dados da Kantar Ibope Media, o brasileiro assistiu no ano passado, em média, 6 horas e 17 minutos de televisão por dia, entre TV aberta e fechada.

Recentemente, a TV paga tem perdido assinantes no País, segundo dados da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). Porém, a queda acontece em tecnologias mais simples, como parabólicas e cabo, que sofrem cortes na crise econômica. 

Para Oscar Simões, presidente da Associação Brasileira de TV por Assinatura (ABTA), o momento é de renovação, mas há espaço para a TV paga.

"Haverá uma coexistência: hoje, já temos 35 canais pagos no Brasil que também oferecem streaming, vinculados à assinatura de TV", diz Simões. 

Há quem discorde. "O modelo dos pacotes com inúmeros canais não fica mais de pé", diz Mauro Garcia, presidente da Bravi, entidade que representa produtores brasileiros de audiovisual.

JOVENS

Em pesquisa global feita pela consultoria Nielsen no início de 2016, 72% dos entrevistados responderam que pagam por TV; apenas 26%, por sua vez, gastam com vídeo por demanda. 

"Para a maioria dos telespectadores, serviços tradicionais e vídeo online não são mutuamente excludentes, mas complementares", diz José Calazans, consultor da Nielsen.

O mesmo estudo da Nielsen, porém, revela que um terço dos assinantes de TV paga pensa em trocar o serviço para apenas ver vídeos pela web. 

Essa fatia cresce entre os usuários de 15 a 20 anos (40%) e millennials (38%, de 21 a 34 anos), mas bem menor entre espectadores mais velhos - 15% entre usuários entre 50 e 64 anos e apenas 9% para quem tem mais de 65 anos. 

A intenção não se reverte, necessariamente, no fim da assinatura. Ainda assim, a disparidade impressiona.

"O jovem de hoje não entende o que é grade de programação. A criança simplesmente acessa o que quer ver no Netflix ou no YouTube", explica Fábia Juliasz, diretora de medição da Kantar Ibope Media.

Hoje, esse público sintoniza o que pode ver de graça na web ou o pacote de TV paga dos pais. Em dez anos, não é difícil imaginar que poucos deles pagarão por TV por assinatura tradicional, mas poderão assinar serviço de vídeo pela internet. Nos EUA, esse grupo já ganhou nome: "cord never" - em tradução literal, "cabo, nunca".

ALGORITMO

Para analistas, a forma de transmissão será menos importante que o conteúdo. "Hoje, a melhor tela para assistir vídeo é a que está mais perto", diz José Calazans, da Nielsen.

O que o YouTube tem hoje parece uma boa prévia do futuro: uma biblioteca enorme de vídeos, que pode ser explorada via busca ou por meio da recomendação de algoritmos capazes de aprender com as preferências do espectador.

Nos próximos anos, cada pessoa será seu próprio programador de TV: elas vão montar uma sequência de vídeos personalizada, sem obedecer a uma estrutura generalista. 

"Ainda vai demorar um tempo, mas o consumidor é quem vai ditar as regras", diz Mauro Garcia, da Bravi.

IMAGEM: Thinkstock



Consultores adotam o vídeo para ajudar o país a vencer a dificuldade crônica de lidar com dinheiro. Linguagem acessível e bem humorada conquista o público

comentários

Para Reed Hastings, presidente executivo da Netflix, a internet é importante para a disseminação de conteúdo em vídeo

comentários

O ministro Gilberto Kassab afirmou que o modelo de franquia de dados passaria a ser adotado neste ano, mas voltou atrás. Na cabeça dos usuários de internet fixa, sobraram dúvidas

comentários