Vida e Estilo

De amuletos a TVs novas: a crise não alcança o coração do torcedor


Pesquisa mapeia hábitos do torcedor de futebol, que vão desde a compra de aparelhos de melhor definição e uma série de rituais para dar sorte ao time


  Por Wladimir Miranda 17 de Junho de 2016 às 19:02

  | Repórter vmiranda@dcomercio.com.br


Sabe aquele torcedor que gasta as últimas economias para comprar um aparelho televisor maior e melhor para ver o jogo decisivo do seu time de coração? 

E aquele amigo, que não consegue ver um jogo do Corinthians se não tiver por perto uma imagem de São Jorge, o santo protetor de todos os corintianos?
 
Estes "supertorcedores" e, por que não dizer, "supersofredores" agora estão no time dos pesquisados pela MasterCard, que resolveu identificar o comportamento dos fãs de futebol na América Latina.

A disputa da Copa América Centenário, nos Estados Unidos, da qual a Seleção Brasileira foi eliminada logo na primeira fase, pelo Peru, protagonizando mais um fracasso em sua  história recente - só superado pelo vexame da eliminação na Copa de 2014, no Brasil, quando sofreu dez gols nos dois últimos jogos contra a Alemanha (7x1) e a Holanda (3x0) - serviu de parâmetro para o levantamento.

Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, México e Peru foram os países pesquisados. O estudo catalogou os rituais utilizados pelos torcedores destes países ao acompanhar uma partida de futebol.

Do universo de torcedores entrevistados, 65% assistiram a pelo menos uma partida da Copa América nos últimos quatro anos. 

Deste total, 35% deixaram de ir trabalhar ou estudar para ver um jogo. Para 70% dos entrevistados, não há nenhum problema em ficar de olho no jogo "enquanto trabalha". 

A pesquisa constatou que mais da metade dos torcedores não gosta de assistir as partidas sem ter algum amigo por perto. Uma a cada cinco pessoas planeja a maneira e com quem vai ver o jogo com mais de uma semana de antecedência.

O hábito de gritar com jogadores, técnicos, árbitros e até com narradores, comentaristas e repórteres durante as transmissões não existe só no Brasil.
 
Nos outros países pesquisados, 43% berram com quem está no gramado e até com quem está apenas transmitindo a partida. 

Tem quem também fique o tempo todo recomendando estratégias aos treinadores, diretamente para as telas da TV. 

Como aqui no Brasil, em que muitos corintianos não esquecem de colocar a imagem de São jorge ao lado da TV, o amuleto sempre está próximo dos fanáticos de outros países.

Se você apostou que os torcedores brasileiros são os mais supersticiosos, errou feio.

HERMANOS

Os que nunca dispensam amuletos durante os 90 minutos e a prorrogação são os "hermanos" argentinos. A pesquisa mostra que 17% dos "hinchas" (torcedores) argentinos adotam um ritual enquanto a bola rola. 

Já 22% deles não abrem mão de ter pelo menos uma peça de roupa "que dê sorte" durante o tempo em que estão vendo o jogo da seleção do país ou de seu time de coração. 

Neste momento de fissura total, os "hermanos" não dispensam a companhia da bandeira nacional argentina. Portanto, se você pensava que os baianos eram os mais supersticiosos, a pesquisa da MasterCard mostrou que não. 

A credibilidade inquestionável da pesquisa não pode e nem deve diminuir a crença e a superstição dos baianos. Torcedores de Bahia e Vitória, os dois clubes com maiores torcidas no estado, sabem que a superstição e a crença nos orixás já deram muitas vitórias e títulos às suas equipes.

Para 86% dos chilenos, ainda eufóricos com a conquista da Copa América do ano passado, disputada em seu país, a competição  é o torneio de futebol internacional favorito. 

A pesquisa constatou um dado interessante. 46% dos chilenos comprovam que o amor é lindo e adoram de assistir a um jogo tendo ao lado a companhia do cônjuge ou parceiro.

Já os colombianos são os mais festeiros. Gostam de bagunça, de aglomeração e veem as partidas junto com amigos (57%).

O México, cuja seleção tem a fama de "jogar como  nunca e perder como sempre", tem em seus torcedores os adeptos mais fiéis. Os mexicanos gostam de usar pintura corporal e também são bastante apegados aos seus rituais para dar sorte ao time. 

Os peruanos não pensam duas vezes para "dar o cano" no trabalho em dias de jogos importantes de sua seleção ou time. O estudo mostra que 39% dos torcedores peruanos faltam ao serviço sem o menor constrangimento e ficam em casa em frente à TV para assistir as grandes partidas. E se a mulher de um torcedor peruano o esperar em casa para festejar o aniversário de nascimento ou de casamento, pode aguardar sentada.
 
Até porque 20% dos torcedores peruanos disseram que deixam de ir a um casamento ou qualquer outro compromisso pessoal para assistir a uma partida de futebol, Pelo menos neste quesito, os peruanos goleiam seus adversários/consumidores da América Latina.

Portanto, se você é um daqueles torcedores brasileiros que corre às lojas para comprar uma TV nova, tem uma coleção de rituais, não dispensa orações e sempre cruza os dedos no momento em que um jogador de seu time de coração se prepara para bater um pênalti, fique tranquilo: iguais a você, há milhares de fanáticos e lunáticos torcedores na América Latina e em todo o mundo.

FOTO: Thinkstock