São Paulo, 04 de Dezembro de 2016

/ Tecnologia

Sua empresa quer participar da próxima Black Friday? Siga as regras
Imprimir

A Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico vai capacitar lojas virtuais interessadas em obter o selo de credibilidade (na foto). Edição especial acontece nesta terça, (23), na eShow 2015

Faltam cinco meses ainda, mas a Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico (camara-e.net) e a Braspag (ferramenta de pagamentos da Cielo) estão capacitando MPEs para que elas possam ser certificadas para a edição 2015 da Black Friday, marcada para o dia 27 de novembro.  

Nesta terça (23), a camara-e.net realizará uma edição especial de capacitação do Ciclo MPE.net durante a eShow 2015, considerada uma das maiores feiras de negócios digitais da América Latina. Para participar, basta entrar no site e fazer a inscrição, que é gratuita.

Em 2013, a Câmara lançou a campanha Black Friday Legal, código de ética que confere selo de credibilidade aos lojistas que aderirem às melhores práticas do comércio eletrônico.

A ideia era diminuir as reclamações de consumidores ao Procon em relação a práticas indevidas, como maquiagem de preços, em uma das maiores datas em vendas para o e-commerce.

Na ocasião, 123 empresas foram certificadas para participar da promoção – número que ampliou para 500, em 2014, e deve passar de mil na edição 2015, segundo projeções da Câmara.

Porém, para participar este ano, as MPEs precisam estar atualizadas com a legislação do e-commerce brasileiro e devem cumprir cinco requisitos básicos, a seguir:  

1 - Participar presencialmente ou online de uma das três capacitações para MPEs da camara.e-net:

2 – Responder à pesquisa sobre MPEs na inscrição para o Selo BFL 2015;

3 – Ser aprovada no processo de avaliação da Câmara, que verifica situação cadastral da empresa, e formas de contato eletrônico e físico (incluindo SAC) disponíveis no site;

4 – Não estar citada na lista do Procon como loja virtual a ser evitada na promoção;

5 – Assinar digitalmente o Código de Ética do BFL.  

Por esse motivo, também serão feitos ao longo do ano workshops gratuitos realizados pela camara-e.net, que abordarão temas como planejamento no e-commerce, logística, aspectos jurídicos do Black Friday Legal, meios de pagamento e marketing digital.

As inscrições já estão abertas e podem ser realizadas pelo site do programa.   

“Com a capacitação, a camara-e.net quer dar às empresas que não conseguiram o selo em 2014 e às novas candidatas informações para se ajustarem às regras, assinarem o Código de Ética do e-commerce e participarem da promoção com o selo Black Friday Legal”, afirma Ludovino Lopes, presidente da camara-e.net.  

"EVANGELIZAÇÃO" DO CONSUMIDOR

Mas qual será o impacto nas vendas? Segundo Pedro Guasti, vice-presidente de Relações Institucionais da Buscapé Company, grupo da qual faz parte a E-bit (consultoria especializada em comércio eletrônico), essa autorregulação do setor serve para oferecer ao consumidor e ao mercado o mínimo de qualificação das empresas para participar do evento.

“A própria E-bit trabalha a questão da "evangelização" do e-commerce para aumentar a confiança do consumidor quanto ao comprometimento das empresas. A ideia é evitar problemas ou algum tipo de penalização no Procon”, afirma.

O vice-presidente também menciona as empresas que têm o Selo de Confiança da E-bit, condição que faz com que elas "costumem levar uma grande vantagem sobre as que não têm."  

Estudos internos que medem a presença do selo relacionado à conversão em vendas mostra que marcas conhecidas têm taxas de conversão  - o fato de comprar, para todos aqueles que entram no site da empresa - que chegam a 5%. Na outra ponta, marcas desconhecidas mostraram incremento de conversão de até 70%. 

“O consumidor se sente mais seguro se a loja passou por algum crivo de análise. Isso favorece as lojas que investem em volume de ofertas para ter maior percentual de vendas”, diz. 

CRESCIMENTO MENOR, MAS GARANTIDO

Promovida pelo site BuscaDescontos, que concentra todas as ofertas do varejo virtual e é responsável pelo site Black Friday Brasil, a ação promocional anual rendeu mais de R$ 1,16 milhões na edição 2014 – uma alta de 51% ante 2013, segundo dados da E-bit.

Guasti, da Buscapé Company, afirma que a E-bit ainda estuda projeções para a data em 2015, já que é preciso avaliar o impacto do cenário recessivo no e-commerce.

“No primeiro semestre, a perspectiva era de que o setor crescesse 20%, mas já vimos que dificilmente vai bater esse resultado. Já a Black Friday, que teve um volume muito alto de vendas em 2013 e 2014, também tende a crescer um pouco menos este ano."

Procurado, o BuscaDescontos também afirmou ainda não ter feito projeções para esse ano. Porém, realizou um levantamento junto aos consumidores que mostra que pelo menos 96% deles  pretendem comprar novamente na edição 2015.

Portanto, mãos à obra, lojistas.   



Previsões mostram que, embora o encarecimento do frete prejudique o e-commerce à curto prazo, o fim do monopólio dos Correios pode beneficiar o mercado como um todo

comentários

Apesar da deflação, nos últimos 12 meses os preços praticados na internet acumularam alta 8,22%, segundo o Ibevar

comentários

O comércio eletrônico exibe números positivos de vendas –agora puxadas pelas compras via smartphones, segundo o especialista Pedro Guasti, que participa amanhã (05/10) do Fórum Empreendedor F4, promovido pela ACSP

comentários