São Paulo, 25 de Junho de 2017

/ Tecnologia

Oito inovações que vão transformar os negócios
Imprimir

Um estudo da consultoria PwC elencou as principais tecnologias, como drones, que começam a revolucionar os negócios. Para as companhias, o desafio é incorporar as inovações nas operações e criar novas formas de valor aos clientes

Após a era da máquina a vapor; da linha de produção em massa e da automação e informação, hoje vivemos a 4ª Revolução Industrial. A nova era é baseada na integração entre máquinas, TI e seres humanos conectados em tempo real. 

É o tempo das transformações digitais. E qual será o impacto dessa nova época nas empresas? 

Hoje, o desafio das companhias é se valer das inovações digitais para criar e entregar valor aos clientes, gerar novas fontes de receitas e reduzir custos.

Uma das premissas dos novos tempos é desenvolver novas experiências digitais aos consumidores e moldar a sua percepção de valor.

Um exemplo clássico é o Uber. A empresa de mobilidade urbana criou um serviço que elevou o parâmetro de satisfação dos usuários. Passageiros que experimentam o Uber podem deixar de perceber valor nos serviços tradicionais de táxi, por exemplo. 

“Sendo a inovação o principal motor de crescimento nas empresas, as companhias precisam enxergar o avanço tecnológico como um aliado para criar estratégias de inovação”, diz Paulo Santana, diretor da Forrester Research, empresa de pesquisa e consultoria tecnológica.

Um estudo recente da consultoria PwC listou oito tecnologias emergentes com potencial para transformar diversos setores da economia nos próximos anos – e que causarão impactos profundos na forma como as empresas operam. 

DRONES 

Dispositivos e veículos aéreos não tripulados não são novidades. No entanto, os drones estão ganhando novas utilidades. 

Equipamentos dotados de computador de bordo já podem voar de forma autônoma. 

Em junho passado, o Walmart apresentou testes de uso de drones para verificação de estoques. Drones com câmeras capturam imagens de armazéns, classificam e contabilizam os itens e informam quais produtos estão esgotados ou armazenados incorretamente. 

De acordo com Shekar Natarajan, vice-presidente do Walmart, o uso de drones pode reduzir o tempo de contagem de estoque de um mês para apenas um dia. 

INTERNET DAS COISAS (IoT)

A IoT é baseada em produtos, como máquinas e veículos, dotados de sensores, softwares e com conexão a internet. A IoT permite coletar e cruzar dados dos equipamentos, que podem ser monitorados e controlados por aplicativos móveis. 

A Whirlpool já vende no Brasil um refrigerador com temperatura interna monitorada. Quando o equipamento aquece, o consumidor recebe um sinal no smartphone – um aviso para quem esquece a porta da geladeira aberta, por exemplo. 

REALIDADE VIRTUAL (RV) 

A RV é uma simulação gerada por computador de uma imagem tridimensional. Por meio de óculos ou capacetes, o usuário explora um ambiente realista e imersivo e pode interagir com o espaço. 

A Tommy Hilfiger, varejista de moda, disponibiliza em sua loja de Nova York óculos de RV para os consumidores, que assistem desfiles de moda como se estivem sentados na primeira fila.

O uso de RV é uma forma de promover uma experiência de entretenimento na loja. 

LEIA MAIS: O que fazer - e o que evitar - quando a meta é inovar

IMPRESSÃO 3D

A técnica de fabricação em camadas pode criar objetos tridimensionais com base em modelos digitas. As impressoras 3D podem gerar produtos de plásticos, metal, vidro e madeira.

Com o aperfeiçoamento da tecnologia, as impressoras podem ser uma ameaça as varejistas, pois os consumidores poderão criar produtos em sua própria casa, comprando modelos digitais das próprias fabricantes.

INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL (AI)

A AI é baseada em algoritmos de softwares capazes de executar tarefas que normalmente requerem inteligência humana, como percepção visual, reconhecimento de voz, tomada de decisões e traduções de idiomas. 

Máquinas dotadas de AI pode entender informações, planejar e agir de forma autônoma, adquirindo mais conhecimento e retroalimentando sua “inteligência” conforme expostas a novos dados. 

REALIDADE AUMENTADA (RA)

Recentemente, a tecnologia ganhou popularidade com a explosão do jogo Pokemon Go. A RA consiste na adição de informações e recursos visuais ao mundo físico. 

Utilizando um dispositivo, como um smartphone, o usuário pode visualizar informações gráficas sobre tarefas ou produtos. 

Num mercado, por exemplo, o cliente pode apontar o câmera do smartphone para um produto na prateleira e visualizar ficha técnica, comentários de outros consumidores, formas de pagamento e modelos similares na tela do celular. 

SAIBA MAIS: O varejo de autopeças entra no mundo digital

BLOCKCHAIN 

Quando surgiram, em 2009, as moedas virtuais criptografadas, as Bitcoins, eram vistas como uma tecnologia que poderia ser usada em transações para apoiar práticas ilegais, como tráfico de drogas e armas, devido a sua irrastreabilidade. 

O blockchain é a tecnologia que garante segurança e é a base das operações em bitcoins. É um formato de contabilidade eletrônica distribuída que usa algoritmos para registrar e confirmar transações de forma confiável e anônima.

Hoje, grandes empresas aceitam bitcoins como forma de pagamento, como Dell e Microsoft. 

LOJA DA NESTLÉ NO JAPÃO: ROBÔS INTELIGENTES CONVERSAM COM CLIENTES/REPRODUÇÃO

ROBÔS

O uso de máquinas de automação, que ampliam ou assistem atividades humanas, estão expandindo sua aplicabilidade da indústria para outros setores.

No Japão, a Nestlé utiliza centenas de robôs para vender máquinas e cápsulas de café expresso. 

Os androides, do modelo Pepper, são humanoides com rodas e uma tela touchscreen posicionada no tronco. O Pepper, dotado de AI, é capaz de reconhecer face e voz e dar explicações sobre produtos de forma interativa, mantendo um diálogo com os consumidores. 

IMAGEM: THINKSTOCK



Mesmo após a melhora da economia, 41% dos consumidores dizem que vão manter a frugalidade nas compras e poupar, revela estudo da consultoria PwC

comentários

Consumidores passaram a pesquisar mais em diferentes varejistas e reduziram as visitas a todas as formas de entretenimento, de acordo com PwC

comentários

Entre as principais preocupações citadas pelos executivos brasileiros estão: regulamentação excessiva, crescimento econômico incerto, volatilidade cambial e incerteza geopolítica

comentários