São Paulo, 28 de Setembro de 2016

/ Tecnologia

Nos EUA, petróleo barato pode acabar com o etanol
Imprimir

Com o petróleo cotado abaixo de US$ 70 o barril, depois de uma alta de US$ 115 no início de 2014, simplesmente não serão construídas novas usinas, prevê Wallace Tyner, economista da Universidade de Purdue.

Por David Talbolt

A queda dos preços do petróleo, acelerada pela recente decisão da Opep de manter a meta de produção planejada, resultará em um novo golpe contra os esforços de comercialização de biocombustíveis avançados, tais como o etanol de bagaço ou o diesel produzido a partir de óleos vegetais.

Além disso, esses preços mais baixos podem também fortalecer o argumento de que é preciso reduzir a escala de regulações federais que exigem o uso de biocombustíveis.

O progresso na comercialização de biocombustíveis avançados, como o etanol de celulose, tem sido lento apesar das leis federais que exigem a utilização desse tipo de combustível. No início de 2014, entraram em operação algumas usinas de etanol celulósico de grande porte, entre elas as operadas pela Poet-DSM, DuPont e Abengoa.

Todas foram planejadas quando o petróleo estava cotado a US$ 100 o barril. Vários outros projetos foram cancelados antes mesmo da queda recente de preços.

Agora que o petróleo está cotado abaixo de US$ 70 o barril, depois de uma alta de US$ 115 no início de 2014, simplesmente não serão construídas novas usinas, disse Wallace Tyner, economista especializado nos segmentos agrícola e de energia da Universidade de Purdue.  

Os programas federais de biodiesel foram criados por meio de um projeto de lei de energia aprovado pelo governo americano em 2005.

O projeto transformado em lei pelo então presidente Bush previa o fomento à independência energética exigindo para isso que se utilizasse um volume cada vez maior de galões de etanol e de biocombustíveis avançados nos combustíveis destinados ao transporte. 
Em 2013, a Administração de Proteção ao Meio Ambiente dos EUA (EPA, na sigla em inglês) reduziu o número de programas que fixavam o volume total de biocombustíveis a serem adicionados aos combustíveis para transporte.

A EPA citou a saturação de mercado devido à demanda menor do que a esperada para a gasolina, limitando o volume de etanol a ser misturado.

Aguarda-se desde o início do ano a atualização desse volume pela EPA. Se os programas forem repelidos, disse Tyner, "os biocombustíveis de celulose e o biodiesel deixarão de existir".

Os efeitos do petróleo barato em outros setores de tecnologia limpa deverão ser mais limitados. "É muito pouco o petróleo usado na produção de energia elétrica, portanto a queda nos preços do petróleo terá impacto, principalmente, sobre o setor de transporte", disse Massoud Amin, diretor do Instituto de Liderança Tecnológica da Universidade de Minnesota e ex-executivo do Instituto de Pesquisa em Energia Elétrica, um grupo de pesquisas financiado pelo setor de serviços públicos.
 



Treze das 24 atividades industriais pesquisadas em agosto pelo IBGE tiveram deflação, com destaque para outros produtos químicos (-2,54%) e alimentos (-0,71%)

comentários

Em tempos de recessão, o varejo precisa adotar estratégias para não sacrificar o valor dos produtos que comercializa

comentários

Índice Fipe Buscapé mostra uma desaceleração da inflação no setor nos últimos meses, depois de pico de 11% no início de 2016

comentários


  • Warning (2): imagejpeg(img/cache/uploads/68x68_4556f1b05bfe2d87d20f942c5c07fa34-400x400.jpg): failed to open stream: Permission denied [APP/View/Helper/ThumbHelper.php, line 142]
    MIT Technology Review
    Publicação do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT) fundada em 1899