Tecnologia

Montadoras investem em robotização, apesar da crise que tornou fábricas ociosas


Das 21 montadoras consultadas pela reportagem, 14 informaram o número de robôs em suas fábricas, num total de 4.653 unidades


  Por Estadão Conteúdo 15 de Agosto de 2017 às 20:00

  | Agência de notícias do Grupo Estado


Em meio à crise, com fábricas ociosas e dispensa de funcionários, a indústria automobilística brasileira está intensificando o processo de robotização das linhas de montagem.

Cada carro lançado nos últimos anos ou nova fábrica exigiram tecnologias mais avançadas, vitais, segundo empresas, para melhorar a produtividade, aqualidade  e a capacidade para competir no mercado global e não fechar as portas.

Das 21 montadoras consultadas pela reportagem, 14 informaram o número de robôs em suas fábricas, num total de 4.653 unidades.

Grande parte foi adquirida nos últimos quatro anos, período em que a produção de veículos caiu 32%, de 2,2 milhões de unidades em 2013 (até julho) para 1,48 milhão neste ano.

O total de funcionários  baixou de 136 mil para 106,7 mil - 21% a menos, ou quase 30 mil vagas. A saída da crise que começa a ser vislumbrada ocorrerá com uma indústria modernizada. Em alguns anos a produção poderá retomar o patamar do pré-crise mas o mesmo não ocorrerá com o emprego.

"Muitas vagas não vão voltar, por isso temos de preparar os trabalhadores para uma migração", diz Aroaldo Oliveira da Silva, secretário-geral do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC. "Talvez não seja mais necessário montadores, mas sim profissionais para planejamento, programação e manutenção."

Para iniciar a produção do novo Polo neste mês e do Virtus em 2018, a Volkswagen instalou 373 novos robôs no setor de solda de chapas de carrocerias na fábrica de São Bernardo do Campo, no ABC paulista, a mais antiga do grupo.

Segundo o diretor de engenharia e manufatura, Celso Placeres, são máquinas com tecnologia avançada, mais rápidas, menores, mais precisas e eficientes que as anteriores.

De 2010 para cá, a Volkswagen acrescentou 971 robôs às linhas de montagem das três fábricas de automóveis no ABC, Taubaté (SP) e São José dos Pinhais (PR) e na de motores em São Carlos (SP).[Veja a foto que abre esta reportagem

Hoje, tem 2.187 dispositivos principalmente nos setores de pintura, solda e agora na gravação de chassi e medição de carrocerias.

Na produção do novo EcoSport, lançado em julho, a Ford introduziu na fábrica de Camaçari (BA) 22 robôs que medem as carrocerias a laser e informam as máquinas à frente o local exato onde devem ser feitos furos para encaixe de peças.

"Somos a segunda fábrica do grupo a usar essa tecnologia adotada nos EUA no ano passado para a produção do novo Mustang", informa Milton Gil, gerente de estamparia e carroceria da Ford.

"Os últimos anos foram de altos investimentos em robotização, especialmente por parte da indústria automotiva", diz Rafael Paniagua, presidente da ABB no País, empresa com sede na Suíça e líder global em robotização industrial. Mundialmente, cerca de 70% dos robôs estão no setor automotivo. 

FOTO: Werther Santana/Estadão Conteúdo