São Paulo, 29 de Julho de 2017

/ Tecnologia

Jovens, empreendedores e com os olhos voltados para tecnologia
Imprimir

Conheça a trajetória de três empresas inovadoras fundadas por empreendedores na faixa dos vinte anos. Na foto, a equipe Puzzle Dynamics, que vende impressoras 3D

Não é nenhuma novidade que os empreendedores brasileiros empreendem mais por necessidade do que oportunidade.

O último relatório do Global Entrepreneurship Monitor (GEM) aponta que a taxa de empreendedorismo no Brasil foi uma das mais altas do mundo, mas em contrapartida menos de 1% desses empresários pode ser considerado inovador. 

Em épocas de crise essa constatação se tornou mais nítida. De acordo com a Serasa Experian, entre janeiro e setembro deste ano o número de novas empresas cresceu 1,3%. Na avaliação da instituição, esse crescimento foi causado principalmente pelo desemprego, ou seja, guiado pelo empreendedorismo de necessidade.  

Apesar disso, as novas gerações estão querendo mudar essa realidade. Conectados com as novas tecnologias, eles estão empreendendo bem jovens – na casa dos 20 anos  – e uma parte significativa está investindo em negócios inovadores. 

A primeira mudança está acontecendo dentro dos cursos universitários, que estão estimulando os alunos a criar, empreender e se relacionar com o mercado. 

Um desses casos é o da Faculdade de Engenharia de Sorocaba (Facens). A instituição conta com um laboratório de inovação, um FabLab (acrônimo de laboratório de fabricação) e um centro de empreendedorismo. Nesses ambientes, estudantes, educadores, empresas e especialistas trocam conhecimento e experiências. 

“Os alunos têm assessoria e são acompanhados durante a criação e o desenvolvimento de produtos. Num passo posterior, eles mostram para o mercado aquilo que desenvolveram dentro da faculdade”, afirma Claudio Ferreira, gerente comercial da Facens.

Os principais projetos da instituição estão na área de robótica, games, realidade virtual e impressão 3D. 

Incentivos como esse são responsáveis por uma onda de empreendedorismo de jovens inovadores. Conheça alguns desses novos empresários :

DIOGO CARNEIRO, FUNDADOR AWAY VR, COM O ÓCULOS DE REALIDADE VIRTUAL

AWAY VR 

João Pedro Marques e Diogo Carneiro dividem seu tempo entre suas atividades como alunos de administração da Universidade Federal de Pernambuco e suas funções como sócios da Away VR, empresa que produz conteúdo para realidade virtual

A empresa foi fundada há seis meses e já conquistou seus primeiros clientes. A popularização dos óculos de realidade foi o impulso que faltava para que o negócio saísse do papel. Hoje, já existem versões que custam em torno de R$ 50. 

“Apenas experimentando a realidade virtual é possível entender suas diversas funções para os negócios”, afirma Carneiro.

“Muito mais do que um brinquedo, essa tecnologia tem um grande potencial. Por isso, começamos desenvolvendo vídeos para o setor imobiliário e turístico." 

Para as agências que vendem pacotes de viagens, por exemplo, a empresa cria vídeos que mostram como são as cidades turísticas, proporcionando uma experiência de imersão no ambiente ao consumidor  

Já para as imobiliárias, a Away VR constrói modelos em 3D. Isso possibilita que essas empresas consigam mostrar cômodos para seus clientes, mesmo que a casa ou o apartamento ainda não estejam construídos. 

PRODUTOS FABRICADOS COM IMPRESSORA 3D DA PUZZLES DYNAMICS

PUZZLES DYNAMICS 

Caio Vilela e os irmãos Lilian Jiang Guey e William Guey fundaram a Puzzle Dynamics, que vende impressoras 3D.  A empresa foi fundada há três anos e hoje vende para 24 estados brasileiros.  

O principal produto é a impressora Delta. O grande diferencial do produto é a calibragem: em vez de ficar apertando parafusos para regular a máquina, eles desenvolveram uma forma de regulá-la com apenas três cliques.

Os principais clientes da Puzzle Dynamics são indústrias que desejam substituir peças que ficaram obsoletas, além de escritórios de arquitetura e agências que precisam fazer protótipos de produtos. 

A empresa também está conquistando clientes que precisam de filamentos (matéria-prima da impressora 3D). Eles comercializam diversos tipos, entre eles os de metal, madeira, fibra de carbono e náilon. 

LUANE GOMES, UMA DAS POUCAS MULHERES NO MUNDO DOS DRONES

DRONE BRAZUCAS

Luane Gomes é fundadora da Drone Brazucas – empresa de drones de Volta Redonda, no Rio de Janeiro. Uma das primeiras e poucas mulheres a se arriscar no setor. 

O negócio começou em 2015, quando Luane percebeu que existia uma oportunidade para crescer nesse mercado, que ainda estava engatinhando no Brasil.

O principal produto da empresa é o Inspire 1 – uma câmera para drones que tem 18 minutos de autonomia, filma em 4K e que gira em 360°. As imagens capturadas são transmitidas ao vivo e em alta qualidade por meio de um tablet. 

Além das vendas, a empresa também realiza serviços de assistência técnica e oferece aulas de pilotagem para quem está começando a usar essas máquinas. 

Os principais clientes de Luane são do setor de agronegócio. Eles utilizam os drones para observar as plantações e decidir qual o momento ideal para colher ou, ainda, para localizar alguma praga que ameaça a lavoura. 

FOTOS: Divulgação



Trajes personalizados, vestidos criados em impressoras 3D e tecnologias vestíveis. As roupas do futuro serão inteligentes e customizáveis

comentários

Criada em São Paulo por um casal de engenheiros de computação, a VR Monkey demonstra como será a revolução do ensino pela realidade virtual

comentários

Ime Archibong, diretor de parcerias estratégicas do Facebook, revelou na Campus Party quais são os planos da empresa de Mark Zuckerberg para o futuro

comentários