São Paulo, 08 de Dezembro de 2016

/ Tecnologia

Brasil já é o segundo mercado de fabricante sueca de terminais de pagamento
Imprimir

A iZettle abastece o país com um pequeno equipamento que, acoplado a um smartphone, o transforma em um processador de pagamento de compra com cartões

De carona no movimento histórico de expansão do setor de cartões no Brasil, a empresa sueca de meios de pagamentos móveis iZettle fez do país seu segundo mercado mais importante, e deve quadruplicar o número de clientes em pouco mais de um ano.

"Estamos prevendo chegar a 150 mil usuários até dezembro", disse nesta terça-feira a jornalistas o presidente-executivo da companhia no Brasil, Anders Norinder.

A empresa chegou ao país em agosto de 2013 e formou com o Santander Brasil uma joint venture cujo principal produto é o pequeno equipamento que, acoplado a smartphones ou tablets, os transforma em POS, os terminais usados para processar pagamentos em compras com cartões.

O recurso tem sido mais amplamento usado, disse Norindes, por empreendedores individuais, como os profissionais de vendas diretas e taxistas.

Leia mais: sua empresa está realmente preparada para vender pelo celular?


Dispositivo de pagamento usado por taxistas e microempresas no Brasil
Foto: Divulgação

Criada em 2010, a iZettle tem operações em mais sete países, além de Brasil e da própria Suécia. A companhia, que tem entre os investidores a Mastercard e o próprio Banco Santander, captou 40 milhões de euros para entrar em mais mercados.

Por aqui, a companhia tem crescido num momento em que o ritmo dos gastos de brasileiros com cartões de crédito e de débito desacelera, acompanhando o continuado cenário de fraco crescimento da economia.

Mais cedo neste mês, a Abecs, entidade que representa o setor, estimou que o segmento terá em 2015 o sexto ano consecutivo de desaceleração.

Diante disso, as empresas de meios de pagamento vêm ampliando o uso de novos canais, como telefones celulares, para acelerar, ou ao menos impedir, a queda nas vendas.

Segundo estudo divulgado nesta terça-feira pela Visa, os 'pagamentos móveis' movimentam algo como US$ 1 bilhão por ano no país, o equivalente a apenas 0,5 por cento dos pagamentos com cartões.

"Olhando para o que já aconteceu em outros mercados, o potencial de crescimento é enorme no Brasil", disse Norinder, que já presidiu no país as operações da montadora Volvo, também sueca.

Da Reuters

 



Na última reunião plenária do ano realizada pela ACSP, os empresários lamentaram as baixas de 2016, mas demonstraram expectativas positivas para o próximo ano

comentários

É a primeira vez desde fevereiro de 2014 que o volume produzido em um mês supera o resultado alcançado em igual mês do ano anterior, de acordo com a Anfavea.

comentários

Previsões mostram que, embora o encarecimento do frete prejudique o e-commerce à curto prazo, o fim do monopólio dos Correios pode beneficiar o mercado como um todo

comentários