São Paulo, 26 de Julho de 2017

/ Tecnologia

Aplicativos descobrem clientes onde você menos espera
Imprimir

A geolocalização digital, capaz de expandir suas vendas, agora também é acessível a pequenas e médias empresas

A empreendedora paulistana Juliana dos Santos é dona do salão de cabeleireiro Yslana. O centro de beleza oferece serviços de corte, manicure, tratamentos capilar e limpeza de pele, entre outros, para o público feminino. 

Atualmente, o salão possui seis funcionários. Mas o time ainda não está completo. Devido o aumento da demanda, em breve, mais uma esteticista e um cabeleireiro serão contratados

“Atendemos cerca de 2.000 clientes por mês”, afirma Juliana. “Esperamos crescer 30% em 2017”.

JULIANA, DO SALÃO YSLANA: 70% DOS CLIENTES AGENDAM SERVIÇOS POR MEIO DE APLICATIVO

Entre os clientes do salão, mais de dois terços não agendam horário por telefone. Cerca de 70% dos consumidores marcam horário pela plataforma Vaniday, que, por meio de geolocalização, funciona como um buscador de serviços de beleza e bem-estar.

Cerca de 2 mil estabelecimentos participam da plataforma, que soma mais de 50 mil usuários cadastrados. Desses, cinco mil realizam compras todo mês. 

LEIA MAIS: Entregue o que consumidor deseja no momento mais oportuno

Agilidade é uma das vantagens para o consumidor na busca de estabelecimentos por nome, categoria, região, preço e serviços oferecidos.

Também é possível ver avaliações do estabelecimento feitas por outros usuários. 

O cliente pode pagar pelo serviço na plataforma, via cartão de crédito, ou em dinheiro, direto no salão. 

Para o estabelecimento, a vantagem é aumentar a sua área de abrangência de atendimento e receber mais clientes do que obteria com entrega de folhetos, anúncios na internet ou divulgação boca a boca.

A cada novo cliente, o estabelecimento remunera a Vaniday com uma taxa de 30% sobre o valor do serviço. A partir da segunda compra, a comissão cai para 10%. 

SOARES, DA VANIDAY: DIGITALIZAÇÃO DO MERCADO DE BELEZA

O uso de tecnologia de geolocalização (detectar objetos e pessoas por meio de um sistema de coordenadas geográficas) ganhou popularidade no comércio e serviços com a disseminação dos smartphones, que serve como dispositivo de acesso aos aplicativos, ao mesmo tempo em que é rastreado pela tecnologia.   

Nos últimos anos, ferramentas baseadas na tecnologia se tornaram acessíveis para pequenas e médias empresas. 

“A Vaniday surgiu para digitalizar o mercado de beleza, em que muitos empreendedores não tem conhecimento em gestão e ainda usam caderneta para realizar o agendamento de clientes”, afirma Cristiano Soares, fundador da Vaniday.

DELIVERY NO SUPERMERCADO

Outra plataforma que utiliza recursos de geolocalização é o Supermercado Now, que permite ao consumidor ter acesso a mercados próximos a sua casa, realizar compras e receber os produtos em casa em duas horas (ou programar a entrega para até quatro dias). 

A entrega é feita por um profissional autônomo, que recebe a demanda de compra por um aplicativo, faz a retirada dos itens no mercado e entrega os produtos na residência do consumidor. 

ZOLET, DO SUPERMERCADO NOW: 80% DO SEGMENTO É COMPOSTO POR PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS

A cada pedido, o profissional ganha R$ 17,50 (pagos pelo consumidor), além de uma bonificação de R$ 5,00, pago pela Supermercado Now. Hoje, a plataforma conta com 30 entregadores – há mais de 400 numa fila de espera. 

O Supermercado Now pode ser uma alternativa para um problema do varejo: reduzir custo e dar agilidade a um sistema de entregas sem ter que criar uma estrutura própria de e-commerce

Há pouco mais de um mês, o mercado Santa Gemma, localizado na zona sul paulistana, passou a utilizar a plataforma.

“Realizamos entregas para bairros que não atingíamos, como Moema, Jardins e Paraíso”, afirma Cristiano Murat, diretor da Santa Gema. “Essas regiões possuem consumidores com alto poder aquisitivo, que compra itens de alto valor agregado.” 

LEIA TAMBÉM: “Micro e pequeno comércio vivem caos produtivo”

Antes de ser aderir à plataforma, Murat cogitou criar um e-commerce. No entanto, os custos da operação, como criação da loja virtual, investimento em marketing digital, contratação de profissionais para separar e entregar os pedidos, inviabilizaram o projeto. 

O custo para o supermercado fazer parte da plataforma consiste uma comissão de 12% sobre o valor de cada compra. Atualmente, seis redes da capital utilizam o Supermercado Now. 

Para Marco Zolet, CEO e fundador da Supermercado Now, a estratégia consiste em focar em pequenos e médios mercados, que representam 80% do segmento. 

Até o fim do ano, a plataforma deve chegar a todos os bairros da capital paulista e mais algumas cidades da região metropolitana. 

“Vamos faturar R$ 10 milhões de reais em 2017”, afirma Zolet. 

MURAT, DO SANTA GEMA: PLATAFORMA ATRAI CONSUMIDORES COM ALTO PODER AQUISITIVO

PRATO QUENTINHO

Para donos de restaurante, uma opção é o VoceQPad, aplicativo que permite que consumidores encontrem pontos de venda, num raio de até um quilômetro, acessem o cardápio e faça pedidos, que vai diretamente para a cozinha, o que dá mais agilidade ao serviço. 

O pagamento pode ser feito pelo aplicativo ou em dinheiro, direto no estabelecimento. Atualmente, 180 pontos de venda utilizam o VoceQPad – entre eles restaurantes da marca Casa do Pão de Queijo, Spoleto e Rizzo Gourmet. 

SAIBA MAIS: Como evitar a fuga de clientes na hora da compra

Para os lojistas, o valor cobrado pelo uso do aplicativo varia de acordo com o volume de pedidos feitos pelo sistema. 

Entre as vantagens do aplicativo para os comerciantes estão a entrega mais ágil e maior abrangência de atuação (uma vez que o público não fica mais restrito as imediações do restaurante ou usuários de praça de alimentação de shopping). 

FOTOS: Thinkstock e divulgação 



Ferramentas tecnológicas gratuitas, que podem ser acessadas na palma da mão, ajudam a planejar as tarefas da empresa e manter a rotina organizada

comentários

A crise econômica gerou mudanças nos hábitos de consumo dos brasileiros, que aprenderam a pesquisar preços e transformaram presentes em lembrancinhas

comentários

De forma geral, os indicadores continuam em patamares melhores do que no ano passado, mas ainda aquém do desejável de uma economia em sua plenitude, de acordo com a Fecomercio

comentários