Sustentabilidade

Projeto transforma refugiados em empreendedores


Curso de capacitação promovido pelo Sebrae e Conare abordou a formalização de negócios, planejamento, preparo e crédito empresarial


  Por Agência Sebrae 10 de Agosto de 2016 às 17:33

  | Informações do Serviço Brasileiro de Apoio à Micro e Pequena empresa


Morando há um ano e sete meses no Brasil, o colombiano Cristiano Botero planeja abrir em breve um empreendimento para vender as bolsas e os calçados que produz com a esposa.

Mas agora esse sonho pode estar mais próximo da realidade: ambos fazem parte do grupo de refugiados que recebeu o diploma de capacitação em Empreendedorismo nesta terça-feira (10/8). 

Resultado de uma parceria entre o Sebrae Nacional, o Sebrae São Paulo e o Comitê Nacional para os Refugiados (Conare), do Ministério da Justiça, o curso começou em junho.

Entre os formandos, alguns se mostraram empreendedores em potencial, segundo Juliana Mee, gerente adjunta de assessoria internacional do Sebrae. Segundo ela, após esse período de capacitação, eles conseguiram atingir o objetivo e estão prontos para se formalizarem.

“Muitos desses refugiados estão conseguindo tirar do papel os projetos que estavam parados, inclusive pela condição que chegaram ao Brasil”, afirmou Flávia Leão, do Conare. “Esses refugiados podem, inclusive gerar empregos para os brasileiros”, acredita Juliana Mee.

De acordo com o Sebrae, o projeto-piloto com refugiados foi composto por quatro fases. Na primeira, foram oferecidas uma palestra e capacitações on line. Os refugiados que quiseram continuar no programa participaram presencialmente de um pacote de cursos do Sebrae.

A terceira e quarta etapas foram voltadas para a formalização dos empreendimentos e para a possível obtenção de crédito empresarial.

Para Nelson Hervey, gerente de políticas públicas do Sebrae São Paulo, além da integração local, o projeto é essencial para os refugiados empreenderem de forma consistente aqui no Brasil. “Empreender não é fácil, pois exige planejamento e preparo”, lembrou.

Hoje, após receberem seus certificados, os refugiados assistiram a palestras sobre empreendedorismo e orientação de crédito com o Banco do Brasil, Banco do Povo e Caixa Crescer.

Ao final, os formandos participaram de um balcão de microcrédito, onde receberam atendimento personalizado de cada uma das instituições participantes.

Foto: Patricia Cruz/Agência Sebrae