São Paulo, 22 de Fevereiro de 2017

/ Sustentabilidade

Práticas sustentáveis trazem lucro de melhor qualidade
Imprimir

Pesquisadores analisam 190 estudos internacionais para medir a influência da responsabilidade social, gestão ambiental e boa governança sobre o desempenho financeiro das empresas

Como demonstrar os benefícios econômicos da  sustentabilidade? Mesmo sabendo que  72% das empresas listadas no índice acionário americano S&P 500 divulgam relatórios de sustentabilidade, esta questão continua a ser uma incógnita para as empresas. Um grupo de pesquisadores na Inglaterra encarou o desafio de procurar a resposta. No relatório inglês From Stockholders to Stakeholders (de acionistas a parte interessada), um trabalho conjunto da Universidade Oxford e da consultoria Arabesque Partners, deram um meticuloso mergulho em 190 estudos sobre o tema em todo o mundo para responder ao dilema do fator econômico, vivido pelas empresas que têm políticas e práticas de gestão em relação aos stakeholders

A boa notícia, encontrada em uma das fontes, é que 81% dos presidentes demonstram conhecimento sobre a importância do tema para o desempenho de longo prazo de suas companhias. A má notícia é que apenas um terço consegue colocar em prática um sistema para ouvir e atender seus públicos de interesse; a maioria sucumbe à pressão por resultados de curto prazo. Trata-se da dicotomia entre consciência e execução que ainda barra a expansão da sustentabilidade no mundo dos negócios. 

As principais conclusões mostram que sustentabilidade e desempenho financeiro andam juntos. As companhias mais alinhadas com seus públicos estratégicos (como funcionários, clientes, acionistas, fornecedores, comunidades) e capazes de integrar a sustentabilidade às decisões de investimento demonstram mais capacidade de alcançar resultados financeiros consistentes e duradouros.

Ao selecionar empresas para estudo de caso, de acordo com o relatório, “constataram que as mais bem sucedidas em construir vantagens competitivas a partir das iniciativas de sustentabilidade têm clareza sobre as responsabilidades da alta gestão, sobre a mensuração e prazos das metas, mantêm uma estrutura de incentivos para os funcionários inovarem e auditores externos para avaliar seu progresso”.  

Nessas análises, os pesquisadores procuraram dimensionar os efeitos exercidos por três campos essenciais para o desempenho corporativo – riscos, performance e reputação - e os impactos financeiros que tiveram sobre o desempenho das empresas. Na abordagem dos riscos, chegaram a contas estratosféricas sobre as perdas das companhias quando negligenciaram as questões socioambientais e de governança na gestão. O estudo examina especialmente os casos de empresas dos setores financeiro (entre as quais o JP Morgan), farmacêutico (GlaxoSmithKline) e tecnológico (Siemens) envolvidas em escândalos de deturpação de dados para investidores, negligência em pesquisas científicas e corrupção.

Na questão do desempenho, contrapõe a ineficiência, demonstrada pelo desperdício de recursos e pela poluição, à busca de inovação em processos e produtos, vetor fundamental para a rentabilidade. Empresas como a Coca-Cola, Phillips e Mark & Spencer são citadas como exemplos de melhora do lucro e criação de valor por força de programas de sustentabilidade com visão de longo prazo. Do lado negativo, o exemplo estudado – a companhia British Petroleum e o acidente no Golfo do México em 2010 - dispensa maiores explicações. Desde então, suas ações perderam 60% de valor e os prejuízos são avaliados em US$ 42 bilhões.


QG da Coca-Cola em Atlanta: citada entre os exemplos positivos do estudo

Em relação à reputação corporativa, o estudo leva em conta a gestão correta do capital humano e a transparência da cadeia de fornecedores como fatores essenciais para a imagem da empresa e a decorrente satisfação de consumidores e acionistas. Entre os casos negativos apontados, está a reação pública contra as condições de trabalho na indústria de confecção da Tailândia e Bangladesh, fornecedora de inúmeras grifes internacionais 

Ao aprofundar a análise do impacto da gestão sustentável em relação a custo do capital, performance operacional e preço das ações, o relatório Arabesque/Oxford encontrou correlação positiva nos seguintes aspectos: 

*90% dos estudos sobre custo de capital mostram que este item é mais reduzido para quem adota a sustentabilidade na gestão

*88% dos estudos demonstram que práticas sustentáveis sólidas resultam em melhor performance operational

*80% dos estudos confirmam que o valor das ações é influenciado positivamente por boas práticas de sustentbilidade

Embora as conclusões do relatório consigam chegar a bom termo no objetivo de demonstrar os benefícios econômicos da sustentabilidade nos negócios, seus autores são enfáticos em recomendar: “é imperativo que a inserção das práticas responsáveis na estratégia corporativa esteja amparada na performance do negócio”. Como exortação final, eles recomendam que as empresas troquem a pergunta "quanto terei de lucro" por "quanto terei de lucro sustentável". Elas terão  melhores resultados, acreditam.  



Vistos como o principal motor da sociedade do conhecimento, os empreendedores criativos precisam melhorar como gestores para cumprir seu potencial de criar riqueza

comentários

Thiago Rocha, diretor de relações com investidores da Senior Solution, conta como a empresa se preparou para abrir capital na bolsa

comentários

Enquanto outros países correm para mudar as condições que prejudicam a vida profissional feminina, o Brasil assiste parado aos prejuízos causados pelo excesso de tarefas das mulheres e a desigualdade salarial

comentários