São Paulo, 25 de Setembro de 2016

/ Sustentabilidade

Aprovação a ciclovia cai, e para contribuinte o preço sobe
Imprimir

Além de desprezar planejamento, Prefeitura supera a média mundial gasta com as ciclovias, como a da Faria Lima (na foto)

A instalação de ciclovias sempre foi um tema controvertido na gestão do prefeito Fernando Haddad (PT). À medida que as faixas para bicicletas se expandem, multiplicam-se os comentários de reprovação. Segundo a pesquisa Datafolha, divulgada no último dia 8, a popularidade das ciclovias caiu de 80%, em setembro, para 66%.

A reprovação a esse tipo de via também aumentou. Em 5 meses, a população contrária a ciclovia passou de 14%, para os atuais 27%. Até então, as críticas mais comuns alegavam que o espaço exclusivo passa boa parte do tempo ocioso, além de tirar o espaço dos carros. Reportagem publicada pela revista Veja São Paulo deve engrossar ainda mais os argumentos do bloco que se opõe às faixas.

A publicação revela que cada quilômetro de ciclovia construída custa R$ 650 mil. Um valor muito distante dos R$ 200 mil projetado por Haddad, na divulgação do projeto. O prefeito prometeu entregar 400 novos quilômetros de faixas exclusivas para bicicletas à capital – ainda faltam 244, com o aporte de R$ 80 milhões.

Até hoje, foram gastos R$ 39 milhões em 156 quilômetros. Este valor representa quase metade do orçamento previsto. Empresas ouvidas pela Veja São Paulo afirmaram que o serviço poderia ser feito com R$ 105 mil por quilômetro, incluindo a margem de lucro da empresa.

De acordo com a Prefeitura, 95% das obras entregues desde o ano passado se resumem basicamente à pintura no chão, sem qualquer outra modificação no entorno, como pavimentação, sinalização semafórica ou outras modificações. Até agora, o maior trecho em execução vai captar mais de R$ 77 milhões – 21 quilômetros que envolvem as regiões da Paulista e Faria Lima, nas regiões central e oeste, respectivamente.

Em uma avaliação nacional, a cidade de São Paulo ocupa o primeiro lugar em gastos. Porto Alegre (RS) tem 18 ciclovias, e cada quilômetro, dos 25 de vias exclusivas aos ciclistas, saiu a R$ 480 mil. Quase com o mesmo valor, Curitiba (PR) investe R$ 450 mil. Em Aracaju (SE), cada quilômetro da rede custa R$ 200 mil. Já em Campo Grande (MS), o valor cai para R$ 134 mil.

A ciclovia mais cara do país é também, segundo a Veja São Paulo, a mais cara do mundo. Os R$ 650 mil massacram a média mundial de R$ 300 mil por quilômetro. Todas as cidades estrangeiras, que se tornaram referência em investimentos nessa área, estão abaixo do montante gasto em São Paulo.

LEIA MAIS: Os dois lados das ciclofaixas paulistanas

Prefeitura desprezou o planejamento ao implantar ciclovias em São Paulo

Abaixo da capital, está Berlim, na Alemanha que a cada quilômetro construído gasta R$ 518 mil. Com quase os mesmos custos, Nova York, nos Estados Unidos, e Madri, na Espanha, também estão acima da média mundial – R$ 396 mil e R$ 390 mil. Considerada a capital mundial das bicicletas, Amsterdã, na Holanda, investe R$ 210 mil por trecho de 1 quilômetro. A cidade de Paris, na França, está entre as mais econômicas, com R$ 129 mil por quilômetro. 

Assim como ocorreu com as ciclovias, a administração de Haddad também não está agradando. A reprovação à gestão do prefeito cresceu 16%, entre setembro e fevereiro, segundo o Datafolha. Hoje, 44% dos eleitores consideram o governo paulistano ruim ou péssimo. Apenas 20 % da população consideram o trabalho de Haddad ótimo ou bom (houve queda de 2%), e outros 33% o classificam como regular (houve queda de 11%).

Para Antonio Carlos Pela, coordenador do CPU (Conselho de Política Urbana), da ACSP (Associação Comercial de São Paulo) e vice-presidente da ACSP, faltou planejamento e discussão para o projeto. “Desde o início insistimos que este não é o modelo que se espera, ou se quer. Creio que a Prefeitura deveria primeiro ver o que está sendo feito para depois ser implantado. Sem dúvida, uma pesquisa mais aprofundada sobre outros países teria indicado maneiras de instalação mais adequadas e que poupariam tamanha fortuna”, diz.

De acordo com Pela, a Prefeitura deveria divulgar um balanço apresentando números de utilização da ciclovia, além de explicar como estas faixas demandaram investimentos desse porte (R$ 650 mil), muito acima do que era previsto. "A questão principal no momento, é explicar e entender como saltamos de R$ 200 mil para R$ 650 mil", diz. 

A repercussão do caso levou a Prefeitura a publicar uma nota de esclarecimento. De acordo com o órgão, a revista somou projetos diferentes para obter o custo médio de cada quilômetro construído. “Teria sido necessário extrair o custo específico para a ciclovia para chegar ao cálculo desejado pela reportagem. Tirando as três obras citadas (Faria Lima, avenida Paulista e Amaral Gurgel), a implantação teve custo médio de R$ 180 mil por quilômetro, até o fim de 2014”.



O GPA, controlador das redes Pão de Açúcar, Extra, Casas Bahia e Ponto Frio, lidera o ranking com cerca de 9 mil dispensas, seguido por Carrefour e Sonda, de acordo com homologações

comentários

Contribuintes do Simples Nacional terão mais 10 dias para enviar as declarações relativas aos sete primeiros meses do ano

comentários

As vendas na cidade do interior paulista foram positivas no primeiro semestre, o único bom resultado encontrado em levantamento feito pela ACSP

comentários