São Paulo, 26 de Junho de 2017

/ Opinião

Uma questão de consciência
Imprimir

O governador do Rio, Luiz Fernando Pezão, é um homem digno e com a consciência do bem comum

Faz parte do jornalismo transmitir experiências pessoais e testemunhos para conhecimento do leitor. Por mais que a comunicação hoje em dia seja dinâmica, abrangente e democrática, a quantidade de informações faz escapar do grande público muitas coisas. E quando os personagens são pessoas simples, alçadas a posições de destaque por mérito, detalhes da formação ética, moral e familiar são desconhecidas de boa parte da população.

Este é o caso do governador Luiz Fernando Pezão, oriundo da política municipal em Piraí, cidade onde foi vereador e, como prefeito, revelou-se bom administrador, fazendo do município o mais informatizado do país, a começar pelas escolas. Assumiu posição de liderança na própria Associação Brasileira de Municípios e, na esfera estadual, foi alçado a vice-governador por dois mandatos e, por fim, a governador.

Esse homem público, trabalhador e dedicado, enfrenta uma crise monumental com fundamento maior na queda do preço do petróleo – os direitos sobre a produção representam muito no orçamento estadual –, o fracasso do projeto do Comperj e a própria crise nacional.

Os desvios que têm sido noticiados não afetariam as contas estaduais na dimensão da realidade que vivemos. Mas o importante é que os fluminenses saibam que ele tem boa origem, boa formação familiar.

Conheci seu pai, sr. Darcy, exemplar funcionário da Light, no complexo gerador de Piraí, onde Pezão nasceu e cresceu. Sua mulher, Maria Lúcia, forma entre as grandes mulheres de governador de nosso Estado. Discreta, elegante, preparada, nobre, sabe das coisas.

Nesse tiroteio que vive a política local, com maldosa exploração das dificuldades, impõe-se ao repórter o dever do testemunho. Especialmente quando se escreve em jornal tão identificado com o Estado do Rio de Janeiro.

Não seria a primeira  vez que um momento conturbado viesse a permitir a injustiça de julgamentos sob influência emocional, que acaba beirando o irracional.

No almoço mensal dos aposentados da Light, todos conhecendo o governador desde sempre, seria uma grande surpresa se Pezão viesse a ser envolvido em algo que pudesse o beneficiar pessoalmente.

E tem sido presente a preocupação de um julgamento precipitado manchar o seu nome, macular sua carreira. Mesmo errando aqui ou ali, levado pelas circunstâncias políticas do momento, não pode ser confundido com os que tenham agido de má-fé, em benefício próprio.

********
As opiniões expressas em artigos são de exclusiva responsabilidade dos autores e não coincidem, necessariamente, com as do Diário do Comércio