São Paulo, 02 de Dezembro de 2016

/ Opinião

Torneio de ideias ruins
Imprimir

Aumentos de tributos demandam legitimidade. É difícil aceitá-los em qualquer ocasião, porém quando se sabe que as receitas serão destinadas a cobrir a má gestão, a corrupção e farra dos 39 ministérios, a natural repulsa pode ser convertida em devastadora indignação.

Ao que parece, o ajuste fiscal em curso não será capaz de produzir a anunciada meta de 1,2% de superávit primário.

As medidas tomadas no âmbito do PIS/Cofins e do IPI se justificariam até mesmo sem a necessidade de ajuste fiscal. Afinal, elas corrigem incidências tributárias que privilegiavam as importações vis-à-vis a produção doméstica ou eliminam desarrazoados benefícios fiscais setoriais.

Caso sejam revistos alguns excessos pontuais, é bem fundamentada a pretensão de rever as alíquotas aplicáveis à mudança de base de cálculo da contribuição previdenciária patronal, usualmente referida como desoneração da folha de pagamento.

Em relação às despesas, houve, seguramente, um corte vigoroso, acompanhado de medidas corretas quanto ao acesso a determinados benefícios sociais.

Ninguém tem dúvida de que ajustes são desagradáveis, tanto quanto os regimes para reduzir a obesidade. Foi, contudo, o caminho que restou para reparar os danos produzidos pela mais impressionante combinação de erros de política econômica da história recente do Brasil, a despeito do esforço, na área fiscal, para encobri-los mediante recurso às famigeradas pedaladas.

Para complicar, as receitas federais começam a ter desempenho abaixo do esperado, o que não constitui surpresa, tendo em vista a forte recessão da economia.
 
Esse quadro serve de pretexto para propostas visando à instituição de novos tributos ou incidências tributárias, para as quais concorrem algumas tribos movidas por ressentimentos, devoção a modelos estrangeiros, romantismo sem causa, ignorância não reconhecida, etc.

Algumas delas invocam o economista francês Thomas Piketty, mais jovem padroeiro das excentricidades tributárias.

Aparentemente, foi contida a pressão para extinguir a isenção dos dividendos distribuídos e dos juros remuneratórios do capital próprio, e para implantar o imposto sobre grandes fortunas, essa pérola da ineficiente demagogia fiscal francesa.

A mais moda é o movimento pela elevação da tributação das heranças.

A herança já é tributada pelo Imposto sobre a Transmissão Causa Mortis e Doações (ITCMD), de competência estadual. Sua alíquota mais frequente é 4%, apesar de uma previsão de alíquota máxima de 8%, por força da Resolução nº 9/92 do Senado. 

A herança é também tributada, diferentemente de outros países, pelo imposto de renda incidente sobre ganhos de capital, à alíquota de 15%.

O que leva alguém a crer, sobretudo considerando a aventada hipótese de partilha com a União, que elevando a alíquota máxima do ITCMD as Assembleias Legislativas vão se sentir estimuladas a majorar esse imposto?

Certamente não será por pressão popular.

Com certo charme, suscita-se a hipótese de fusão do PIS e Cofins, adotando-se um regime de crédito financeiro análogo ao do imposto sobre o valor agregado (IVA).

As legislações daquelas contribuições, exceto em situações particularíssimas, já são idênticas. A fusão de dois documentos de arrecadação não pode ser qualificada como simplificação. Pode ser, se muito, uma alegoria.

Quanto ao propósito de assemelhar essas contribuições ao IVA, cabem algumas ponderações: 1) seu parentesco é com o Imposto de Renda, e não com o ICMS; 2) o atual modelo aplicado aos optantes do lucro presumido e aos regimes de incidência concentrada (setores farmacêutico, automotivo e de combustíveis) é bem acolhido por todos os contribuintes, o que faculta concluir que a mudança seria objeto de rejeição absoluta.
 
É inacreditável que a incapacidade de qualificar adequadamente os créditos do regime não cumulativo motive uma proposta indesejada pelos contribuintes e sem justificada fundamentação teórica.

Salvo se for uma cortina de fumaça para promover aumento de tributação, especialmente nas pequenas e médias empresas prestadoras de serviço. O que seria deplorável.

Aumentos de tributos demandam legitimidade. É difícil aceitá-los em qualquer ocasião, porém quando se sabe que as receitas serão destinadas a cobrir a má gestão, a corrupção e farra dos 39 ministérios, a natural repulsa pode ser convertida em devastadora indignação.

Em tempos de crise, acautelai-vos contribuintes, porque as ideias ruins estão à solta.



A avaliação é de José Serra (foto), ministro das Relações Exteriores. Em debate na FGV ele disse que o "custo Brasil" consome 30% das mercadorias brasileiras

comentários

Eletroeletrônicos e smartphones, alguns dos produtos mais adquiridos na data, são os mais tributados, segundo o IBPT

comentários

Dos cerca de 1,5 mil fabricantes de cachaça registrados no país, 90% são micro e pequenos produtores

comentários