São Paulo, 19 de Fevereiro de 2017

/ Opinião

Simplificação tributária: uma das questões mais importantes para o desenvolvimento do Brasil
Imprimir

Com essa preocupação, a Associação Comercial de São Paulo, a FACESP, a FECOMÉRCIO e o SESCON, entre outras entidades, uniram-se para elaborar um estudo que libertasse o contribuinte destas amarras burocráticas, resultando em uma proposta de Simplificação e Racionalização do Sistema Tributário Brasileiro.

Tudo começou quando a equipe técnica da Pricewaterhouse Coopers (PwC), liderada pela sua diretora Elidie Bifano, apresentou estudo levantando um número incrível de obrigações fiscais acessórias existentes e seus respectivos custos, as quais os contribuintes estão obrigados a informar periodicamente ao fisco.

O número de formulários fiscais e informações a serem preenchidos e entregues aos vários entes fiscais é excessivo. Só para o ICMS e o IPI, o número de obrigações acessórias apresentados passa de setenta para cada um dos referidos impostos.

Diante deste quadro assustador, formou-se um grupo de trabalho reunindo tributaristas e técnicos de renomadas universidades paulistas, dentre as quais se destacam a USP, FGV, PUC e Mackenzie de um lado da mesa. E de outro lado, os representantes dos três entes fiscais: União, Estado e Município. Para coordenar os trabalhos foi convidado o renomado consultor tributário Everardo Maciel, que além de seu reconhecido saber nessa área, acumula importantes experiências da administração pública e privada.

Durante todo ano de 2012, o grupo de especialistas reuniu-se para debater a forma legal pela qual se poderia eliminar o excesso de obrigações formais, dentro do atual sistema tributário, sem envolver a necessária reforma tributária, pelas dificuldades já conhecidas.

Foi dessa forma que, no início de 2013, o grupo de trabalho entregou suas conclusões reunidas num estudo que abrange as principais questões: redução da quantidade de informações e formulários fiscais; prazos mais adequados ao contribuinte e isenção ou redução das multas previstas pela falta dessas obrigações fiscais.

Ao lado da diminuição da burocracia, a proposta busca maior segurança jurídica e previsibilidade, maior agilidade, redução dos abusos, maior competitividade e tratamento isonômico. Além da publicação do estudo, escrito em linguagem técnica, necessária para o devido enquadramento legal, o grupo apresentou também o trabalho traduzido em linguagem visual mais simples, para compreensão geral, por meio de CD contendo quadros explicativos.

Esse quadro é utilizado para a apresentação de cada proposta, a qual é colocada no seu centro, no espaço em branco mostrado pela mesma figura. Isto feito, o quadro destaca, na sua parte de cima, qual o benefício ou quais os benefícios esperados da proposta. Do lado esquerdo é apontado se ele beneficia a pessoa física e/ou a jurídica. E, na parte de baixo, destaca-se o instrumento a ser utilizado para institucionalizar legalmente a proposta.

Pelo simples exame do material visual disponível, verifica-se o cuidado que o grupo de trabalho teve ao demonstrar a solução das questões examinadas, tendo por base a previsão legal existente e a nova solução encontrada; e transcrevendo no mesmo quadro visual, a base legal da exigência anterior e a solução encontrada para simplificar o sistema fiscal burocrático, sem que o princípio da legalidade seja violado. 



Valor é o menor para um ano desde 2010, de acordo com a Receita Federal

comentários

Sete tributos federais (IPI, IOF, CSLL, PIS, Pasep, Cofins e salário-educação), o ICMS (estadual) e o ISS (municipal) seriam substituídos por três

comentários

Todos os excessos das normas fiscais que compõem nosso confuso sistema tributário também são responsáveis pela inadimplência, junto com uma política de crédito inacessível aos pequenos

comentários