São Paulo, 24 de Abril de 2017

/ Opinião

São Paulo, 463, em busca da salvação
Imprimir

A cidade precisava e achou nas urnas um prefeito que pode errar, poderá não ser bom como se vendeu, mas certamente, está mostrando que pensa a cidade como um todo

Há quem reclame do prefeito João Dória por estar dando importância a detalhes de limpeza, pintura, pichação, murais, enquanto a cidade de São Paulo tem graves problemas estruturais e gerenciais. Não concordo.

A herança legada a Dória é que é maldita. Não só pelo que a gestão Haddad fez de ruim  à cidade, tornando-a mesquinha e miserável, mas também pelo fato de que a ordem urbana começa pelo cuidado de zeladoria como o novo prefeito está fazendo.

Tudo até agora que nele acusam – e não sou seu advogado- é puro despeito de quem perdeu vexatóriamente a eleição e não se conforma com o fato de que a cidade, maciçamente, em primeiro turno, disse não à opção pela pobreza socializada defendida pelos adeptos do lulopetismo.

A retumbante vitória de Dória na periferia revela que os moradores de São Paulo, por sua maioria e todas as classes sociais, votou pela mudança de mentalidade que Dória representou e essa mudança implica em revogação dos conceitos ditos “sociais” que vigoravam, dando à capital paulista a condição de terra do vale tudo, do abandono, da miséria, quando todos aspiram viver numa cidade limpa, organizada, melhor, e em que todos tenham dignidade respeitada por uma administração voltada para a própria cidade e não para um projeto de poder de um partido.

As últimas administrações, com ênfase na do PT, bradaram aos quatro cantos que o bom era ser pobre. Pobre não quer pobreza. Periferia quer progresso, mudança, evolução e isso implica em começar pelo resgate do brilho, da grandeza, da limpeza, da cidade toda.

O resto é arenga de derrotado nas urnas e de quem perdeu a boquinha, de onde secavam os recursos públicos para alimentar parasitas partidários e grupos ditos sociais que na verdade são políticos.

Haddad pode ter tido lá –sua obrigação- uma ou outra coisa boa. Mas, no geral, arrasou a cidade.

Distribuiu a pobreza por todos os cantos e favelizou todos os baixos de viadutos. Foi condescendente , quando não apoiador , de movimentos de agressão à ordem e à própria população da cidade.

Quem faz barulho agora são os derrotados, muitos dos quais engajados dentro da mídia e que usam seus instrumentos de comunicação para dar vazão ao amargo sabor da derrota, nas urnas, e na periferia da qual o PT se achava dono.

São Paulo, em seu aniversário de 463 anos, precisava e achou nas urnas um prefeito que pode errar, poderá não ser bom como se vendeu, mas certamente, está mostrando que pensa a cidade como um todo, a partir de sua zeladoria e atendimento à miséria que o PT implantou nas esquinas.

Daí para a busca de soluções mais estruturais é um passo a ser seguido, embora, se saiba, que muitos deles não têm solução na atual tecnologia porque São Paulo passou do ponto faz tempo.

Sua administração é de crise permanente, ainda mais depois que o vendaval petista por ela passou três vezes. E foi agora varrido como Dória foi varrer a praça.

O resto é choradeira de perdedor.

********
As opiniões expressas em artigos são de exclusiva responsabilidade dos autores e não coincidem, necessariamente, com as do Diário do Comércio

 



Nasceu? Morreu? Separou? Sumiu? Voltou? Tudo deve ser atestado em cartório

comentários

Existe crime maior do que fraudar o processo que elege as pessoas que nos representarão em quase todas as expressões de vida em sociedade?

comentários

Com o ataque de mísseis à base síria, em resposta ao uso de armas químicas, o presidente americano jogou para a galera e sabe que receberá dela – são seus eleitores – gestos de aprovação

comentários