São Paulo, 27 de Março de 2017

/ Opinião

Reage Brasil!
Imprimir

Enquanto se dissimula o que realmente de grave está acontecendo e artificializa-se uma gravidade no que é inexpressivo, para piorar, o novo governo faz de conta que não é governo

Que continua a haver abomináveis desarranjos institucionais no Brasil pós-impeachment ninguém duvida.

Difícil é aceitar que parte da elite brasileira continue a ignorar os reclames da sociedade pelo respeito à Lei e pelo combate efetivo à corrupção.

Afastada a presidente, bastou uma mera semana para demonstrar que tudo pelo qual se foi às ruas protestar desde 2014 continua aí, firme e forte, mais arrogante e cínico do que nunca, a nos dizer: "Se vocês queriam um impeachment, vai ser do nosso jeito, pois somos nós que decidimos que leis devem ser cumpridas, quando e por quem".

O sujeito desse recado é plural, envolvendo expoentes da República e de distintos setores da sociedade que não se mostram nem um pouco sensibilizados com a gravidade da situação nacional.

Preferem se ocupar com a ciranda de declarações ostentatórias de sua vaidade, escolhem a leniência com a desordem no País, ou pior, deixam que os radicais em suas redações pautem o caos como bem entendem.

Para eles, que se dane a Constituição achincalhada com a elegibilidade de Dilma, às favas com a ordem pública afrontada por bandidos travestidos de manifestantes e que vá para a cucuia qualquer urgência em recuperar a economia.

Enquanto se dissimula o que realmente de grave está acontecendo e artificializa-se uma gravidade no que é inexpressivo, para piorar, o novo governo faz de conta que não é governo.

Individualmente, o corpo fala. Mas o corpo político também. E para saber o quanto ele está doente, basta enxergar o que aconteceu neste 7 de Setembro, data máxima da nacionalidade comemorada com desfiles cívico-militares em centenas de cidades brasileiras, o principal deles em Brasília.

Pontue-se inicialmente o ridículo da Universidade de São Paulo que se conforma com a  120a colocação no ranking internacional, mas não hesita em usar recursos à sua disposição para colocar estudantes radicalizados nas arquibancadas da Esplanada com o propósito de afrontar a solenidade.

Afronta sim, porque convidados não vão a uma festa para protestar. O Brasil dispõe há tempos de todos os espaços e fóruns para discordar e protestar em relação ao que for.

Não é no seu dia, como no aniversário de nossos amigos e familiares, que vamos apontar seus defeitos e faltas.  E não adianta inventar nomes novos para molecagens antigas. O tal do grito dos excluídos continua a ser a afronta ao Brasil que sempre foi.

Registre-se em seguida que, pela primeira vez na memória de um país que a vai perdendo cada vez mais, um presidente da República não passou revista à tropa formada para o desfile, não recebendo a salva de artilharia em continência e se dirigindo diretamente ao palanque em carro fechado, sem usar a faixa presidencial. Além de inusitado, é algo extremamente grave.

A começar porque Michel Temer não tem esse direito. As homenagens e honrarias que se devem a ele neste momento não são pessoais, mas institucionais, prestadas ao Presidente da República.

A resultante do seu forfait foi muito maior do que o desfile amplamente ignorado do qual a imprensa destacou os protestos de poucos, espertamente colocados junto dela para causarem repercussão desproporcional.

Pairou sombria a recordação do que fez outro presidente paulista após a cerimônia do Dia do Soldado em um distante 25 de agosto de 1961, achando que não estava à altura da faixa presidencial ou, quem sabe, que deveria ir além dela. O que, recorde-se sempre, lançou o País no caos.

O Brasil precisa enfrentar a hipótese de estarmos descambando para o caos. Talvez seja essa a melhor maneira de evitá-lo. Portanto, é bom soar algum alarme.

Afinal de contas, em tempos de Independência, recordemo-nos de que foi a população ameaçada pela Divisão Auxiliadora portuguesa que fez reunir no Campo de Santana no Rio de Janeiro mais de seis mil brasileiros em armas que animaram o Príncipe D. Pedro a expulsá-la e a proferir o Fico, iniciando a marcha para a nossa emancipação.

Foi a população indignada que respaldou a reação de D. Pedro II perante a humilhação que pretendia nos impor o arrogante embaixador britânico Christie.

Foi a população inconformada que fez o Congresso não aceitar a entrega de fatia do território nacional à Argentina por um governo inseguro nos primeiros dias da República.

Isso serve para nos lembrar que é o povo, e não o governo que transitoriamente o conduz, que decide o destino de seu país.

Curioso país esse Brasil, que por vezes emite sinais tão atípicos quanto aparentemente desconectados dos problemas que o afligem de crise em  crise. Não foi da Esplanada engalanada para este 7 de Setembro, como seria de se esperar, que veio o alento simbólico de que o País carece.

Foi do gramado em Manaus, de uma seleção de gente com futuro e das chuteiras de um calejado Neymar Jr. cansado de apanhar que veio o grito que está na garganta dos brasileiros que amam seu País.

Se o brasileiro que protagonizou as maiores manifestações de nossa História não voltar urgentemente às ruas para exigir respeito às instituições, o mal que tomou o País nestes treze anos vai lançá-lo em caos social, econômico e político ainda maior do que o que vivemos.

Reage Brasil!  De novo!

*********
As opiniões expressas em artigos são de exclusiva responsabilidade dos autores e não coincidem, necessariamente, com as do Diário do Comércio

 



Urge a criação de uma vara criminal voltada a julgar casos de danos ao patrimônio ou ao serviço (caso dos ônibus) públicos e uma cadeia que acolha imediatamente os presos em flagrante

comentários

A política brasileira está tão fora de sintonia com a realidade do país e os políticos tão preocupados em salvar a sua pele que já se começa a difundir a ideia de que a culpada de toda essa tragédia que assola o país é a Lava Jato!

comentários

Respeitar o comando constitucional, que impõe a reserva de matérias para edição de lei complementar, traz mais segurança jurídica, especialmente em questão tributária

comentários